Dr. Marcos Britto da Silva - Ortopedia, Traumatologia e Medicina Esportiva: 09/01/2011 - 10/01/2011

EQUIPAMENTOS NO TENIS DE QUADRA

RAQUETE DE TÉNIS

As raquetes modernas apresentam algumas características específicas, e várias marcas são encontradas no mercado, das mais flexíveis às mais rígidas. As antigas raquetes de madeira não tem sido usadas atualemente e foram substituidas por novos materiais como alumínio, carbono, grafite e titânio . Algumas raquetes mais modernas são  muito leves e podem  pesar menos de 300 gramas. A qualidade da raquete de ténis e principalmente a tensão das cordoalhas podem ser um fator predisponente de lesões.  As lesões estão relacionadas a vibração principalmente nos atletas sem um condicionamento muscular adequado.

Como escolher a empunhadura correta?
A empunhadura correta é muito importante quando se pensa na prevenção de lesões do membro superior. principalmente do cotovelo e punho. Apesar de existirem algumas regras para a medida do tamanho ideal da empunhadura, sugiro que o melhor grip é aquele que corresponde ao mais confortável para o atleta quando

este desenvolve os golpes do tênis. Outros dados importantes são o comprimento total da raquete e o tamanho da cabeça. Estes fatores são importantes, pois o centro de vibração mínima da raquete (chamado de sweet spot) é o local onde se deve sempre ter o contato da bola na hora do impacto da rebatida, pois isso transmitirá menos vibração à raquete e ao membro superior. Recomenda-se sempre que possível raquetes com perfil largo para o amador.
As cordas representam outro importante componente da raquete. Elas podem ser feitas de material orgânico ou sintético. As cordas sintéticas são mais duráveis, porém transmitem maior vibração à raquete e ao membro superior, o que pode ser predisponente de lesões. A escolha do tipo de corda que melhor se
adapta ao jogo de cada atleta geralmente é difícil e requer tempo e prática. Mais importante que o material da corda, na gênese das lesões – principalmente do membro superior, e mais especificamente do cotovelo -,
é a tensão do encordoamento. Cada raquete apresenta uma recomendação do fabricante quanto ao valor da tensão que normalmente se pode utilizar.Geralmente a tensão recomendada varia de 52 a 65 libras, e hoje se sabe que tensões elevadas podem ser fatores importantes que aumentam a transmissão da vibração da raquete, principalmente para o cotovelo. Mesmo com esta grande variação na tensão recomendada, observa-se que a grande maioria dos tenistas amadores utiliza tensões de 56 a 60 libras. Não recomendamos, de rotina, que se use mais de 58 libras.

As bolas usadas para a prática do tênis são feitas de borracha misturada com terra e produtos sulfurados, para deixá-las com consistência homogênea. O uso correto das bolas é importante, pois se sabe que, quando velhas, o tenista tem que gerar uma maior força para desempenhar o mesmo tipo de jogo, predispondo a lesões dos membros superiores. 

Os calçados são outro fator muito importante com o qual o tenista deve se preocupar. Ele deve ter um reforço lateral bem elaborado, pois, durante uma partida, ocorrem muitos movimentos de parada brusca, principalmente nos deslocamentos laterais de fundo de quadra. O equilíbrio é valioso para gerar força na rebatida da bola e isso só é conseguido com uma parada brusca após um movimento de arranque. Os calçados devem ter uma câmara de absorção de impacto bem desenhada, a fim de que o choque com o solo seja minimizado. A região posterior do calçado não deve ser alta, pois pode prejudicar o tendão do calcâneo e provocar tendinites crônicas. A câmara anterior deve ser ampla,e a língua do tênis não precisa ser grande, mas confortável.


Tipos de quadrade Tenis

O tênis pode ser jogado em vários tipos de quadra, que geralmente são classificadas como rápidas ou lentas. As quadras lentas mais encontradas em nosso país e no mundo são as de saibro. As quadras rápidas geralmente são de material sintético ou cimento. Outras que são classificadas como rápidas são as de grama, tradicionais no famoso torneio de Wimbledon, na Inglaterra. Os diferentes tipos de quadra onde o esporte é praticado determinam lesões de diferentes comportamentos. Para aqueles que jogam regularmente em quadras rápidas, as lesões de membro inferior são freqüentes, pois o piso é duro, e a força de reação do solo é muito maior. Já para aqueles que jogam geralmente em quadras lentas, como as de saibro, as lesões mais freqüentes são as que ocorrem no membro superior, principalmente no ombro e cotovelo, e no tronco (principalmente coluna lombar). Isso porque o jogo se torna um pouco mais lento, e a força do membro superior deve ser maior para gerar velocidade e potência nos golpes. Não se pode considerar isso uma regra, mas é um dado relevante na prevenção e tratamento de lesões.

Você vai dançar com o disco do Corolla aos 40.000Km

Peço desculpas aos leitores assíduos para publicar um texto são médico porém estou revoltado com a Toyota. Temos visto nos últimos anos uma Senescência programada em vários objetos do dia a dia. Nos acostumados a trocar de celular de 2 em 2 anos. Esse envelhecimento programado parece que chegou as peças de automóveis. Não estou falando do desgaste normal que ocorre com o uso, estou falando de peças que antes duravam 100.000 ou 200.000 km terem que ser trocadas com 40.000km.

Porque falo de Envelhecimento precoce programado no disco de freio do Toyota Corolla?

Tenho um Toyota Corolla comprado em Outubro de 2010/ modelo 2011, XEI. Esse é o meu segundo Toyota Corolla e o carro está com menos de dois anos de uso. Semana passada levei o carro na Concessionária Interjapan ( Concessionária Toyota de Botafogo no Rio de Janeiro) reclamei que o freio trazerio direito estava assoviando e para minha surpresa foi constatado que ALÉM AS PASTILHAS os 4 DISCOS DE FREIO estavam gastos. A surpresa veio com o diagnóstico final: todos os 4 discos de freio estavam com um sulco de mais de 2 mm e precisam ser substituídos! Difícil foi ouvir o orçamento R$2200,00 para trocar os 4 discos e as pastilhas de freio que somados aos R$ 865,00 do custo da revisão de 40.000km fez o gasto subir para mais de R$3000,00.

Por que fiquei surpreso com o desgaste do DISCO DE FREIO com 40.000 Km no Toyota Corolla?
Tive vários outros carros inclusive um outro Toyota Corolla comprado zero em 2005 e o mesmo esta com os discos de freio originais até hoje e o carro esta com mais de 100.000 Km rodados!

Qual o explicação dos mecânicos para esse desgaste?
Na concessionária disseram que era minha culpa, do  meu jeito de dirigir, eu provavelmente andava com o pé no freio o tempo todo. Eu não faço isso, porém vamos considerar essa premissa absurda como verdadeira, nesse caso quem deveria desgastar seria a pastilha de freio e não o disco. Converse com qualquer mecânico ele vai lhe falar sempre a mesma coisa, as pastilhas de freio se desgastam antes do disco do disco de freio E NÃO AO MESMO TEMPO E NÃO COM 40.000, em geral temos que trocar as pastilhas várias vezes antes de trocar um disco de freio.

Se as pastilhas se desgastam antes do disco de freio, porque o disco de freio do Toyota Corolla estão com desgasto tão precoce?
O carro está mais pesado, o carro tem cambio automático e usamos menos o freio motor, essas são explicações possíveis porém não explica o desgaste com 40.000 Km. Uma explicação é a senescência programada, com a troca dos fornecedores de peças a Toyota escolheu um disco de freio " mais mole " o disco de freio é feito com uma liga metálica e dependendo da composição do metal o disco de freio pode ser "mais rígido" e se desgastar menos ou "mais mole" e se desgastar mais precocemente. Algumas mudanças são feitas para para melhorar o desempenho do sistema de freios, porém, dessa vez acho que o Toyota errou na mão, o freio funciona bem, porém, se desgasta muito precocemente. Isso não seria um problema se peças de carro e mão de obra em concessionária autorizada não fosse tão caro no Brasil. Porém gastar 2200,00 reais a mais a cada 40.000 km faz pensar que talvez o Corolla não seja mais a melhor opção para os Sedans Médios. 

Usei o SAC da Toyota para reclamar pois acredito que um disco de freio não deve desgastar com 40.000 km, a resposta é que esse foi a diagnóstico da concessionária e que os freios não estão incluídos na garantia!

Considero o problema com o desgaste precoce dos discos de freios um vício redibitório (Problema Oculto) pois não sou o primeiro a passar por esse mesmo problema, encontrei inclusive no reclame aqui outra reclamação exatamente igual.

Acho que o Procon deveria investigar esse problema pois fiquei desconfiado da resposta fornecida pelo SAC da Toyota, a impressão é que foi colocada uma peça que está programada para desgastar precocemente. Essa impressão foi corroborada conversando com os mecânicos da própria concessionária TOYOTA que afirmaram que os carros COROLLA realmente estão trocando os disco de freio com menor quilometragem que antes.

Incorporei o comentário do Waldez Amorim abaixo à postagem:

Caro Dr. Marcos
Estou escrevendo sobre o desgaste das pastilhas do Corolla.
Por favor, envie o seu contato para c_waldez@hotmail.com
Obrigado pela atenção.
Waldez Amorim
Autodefesa
Quatro Rodas

Google+ Followers