PRP no Ombro

Um estudo prospectivo apresentado no ultimo Congresso Americano de Cirurgiões Ortopédicos em Abril de 2013 ( AAOS 2013) em Chicago indica que plasma rico em plaquetas (PRP) pode ser uma alternativa segura e de baixo custo no tratamento para tendinopatia do manguito rotador (RCT), nos casos com ruptura parcial do manguito rotador. Os resultados foram apresentados em Poster Científico P318, "Injeção de plasma rico em plaquetas como uma alternativa de tratamento para tendinite do manguito rotador do ombro", escolhido como o Melhor Poster 2013 na categoria de Ombro e Cotovelo, e foi exibição na Academia Salão B durante o congresso da AAOS em Chicago.

Nos últimos anos, o PRP surgiu como uma opção de tratamento eficaz para tendinopatias diversas em todo o corpo, incluindo o tendão do manguito rotador. Turlough O'Donnell, MD, e seu colega H. Aamir Shaikh, MSc, MRCSEd, HCM, do UPMC Hospital Beacon em Dublin, na Irlanda, avaliaram os efeitos terapêuticos de várias injeções de PRP administrados diretamente no tendão supra-espinhal, em comparação com o uso de injecções de corticosteróides no tratamento das rupturas parciais

Eles identificados prospectivamente 204 pacientes com função ruim com base no indice Constante-Murley para o ombro (CMS) marca ombro e dor no ombro que restrição de movimento (ADM). Apenas os pacientes com ROM passivo total e MRI confirmada grau Goutallier 2 ou menos infiltração gordurosa foram incluídos.

Os pacientes foram divididos em dois idade e sexo pareados coortes. O grupo PRP (n = 102) foi tratado com injecções PRP administradas directamente no tendão suprasimatos, o grupo de controlo (n = 102) foi tratada com 20 ml de solução de 0,05 por cento e bupivacaína 80 mg de metilprednisolona no espaço subacromial.

Escala visual analógica (VAS) escores de dor, ROM, e dezenas de ombro constantes foram obtidos em todos os pacientes 3 meses após a última injecção.PRP encontrado segura, eficaz Aos 3 meses após a injecção, os investigadores encontraram melhora clínica e estatisticamente significativa nos escores de dor VAS, ROM e escores médios constantes em ambos os grupos em comparação com pré-injeção de escores (P <0 br=""> Os pacientes do grupo PRP também teve flexão frente significativamente melhor ativo, abdução e rotação interna no final do acompanhamento do que aqueles no grupo de controle. A diferença média de pontuações constantes após a injecção nos dois grupos foi de 19,4. De acordo com os pesquisadores, quando esta mudança de meio estimados foi registada em função do pré-injecção, mediante a utilização de análise de variância, o aumento da pontuação foi claramente superior no grupo PRP do que no grupo de esteróides (67,7 por cento e 24,9 por cento, respectivamente). Além disso, em 1 ano de follow-up, apenas 3 pacientes do grupo de PRP foram submetidos à cirurgia para a dor recalcitrante, enquanto que 48 pacientes do grupo do corticosteróide havia necessidade de intervenção cirúrgica.

"Em 12 meses de acompanhamento, os pacientes que receberam uma série de injeções de PRP foram 16 vezes menos probabilidades de ter sofrido uma intervenção cirúrgica do que os pacientes que receberam injeções de corticosteróides", disseram os autores. Os autores concluíram que as injeções de PRP são uma alternativa de tratamento clinicamente segura e de baixo custo para as injeções de corticóide para dor RCT. 
Marcos Britto da Silva
Ortopedia, Traumatologia e Medicina do Esporte
Botafogo, Rio de Janeiro, RJ
Publicado em 15/11/2013.

Comentários

Mais Lidos

Compressão do Nervo Ulnar no Cotovelo e Punho

Consolidação das Fraturas

Vitamina D Pura DePURA

Lesão Meniscal no Joelho

Cirurgia para tratamento da Fratura de Tornozelo

Frio ou Calor

Fratura de tíbia - Diafisaria

Cisto de Baker no Joelho

Entorse do Tornozelo

Bula do Addera D3

Minha foto
MARCOS BRITTO DA SILVA
Brazil
- Médico Ortopedista Especialista em Traumatologia e Medicina Esportiva - Chefe do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Pró-Cardíaco, - Professor Convidado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, - Membro Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte | SBMEE, Médico do HUCFF-UFRJ, - International Affiliate Member of the AAOS - American Academy of Orthopaedic Surgeons - Membro da Câmara Técnica de Ortopedia e Traumatologia do CREMERJ, - Especialista em Cirurgia do Membro Superior pela Clinique Juvenet - Paris, - Professor da pós Graduação em Medicina do Instituto Carlos Chagas, - Professor Coordenador da Liga de Ortopedia e Medicina Esportiva dos alunos de Medicina da UFRJ, - Membro Titular da SBOT - ( Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia), - Membro Titular da SBTO - ( Sociedade Brasileira de Trauma Ortopédico), - Mestre em Medicina pela Faculdade de Medicina da UFRJ - Internacional Member AO ALUMNI Association, - Internacional Member: The Fédération Internationale de Médecine du Sport,(FIMS)/International Federation of Sports Medicine (http://www.fims.org),