Dr. Marcos Britto da Silva - Ortopedia, Traumatologia e Medicina Esportiva: A evolução do tratamento das fraturas

A evolução do tratamento das fraturas

A capacidade dos seres humanos para tratar e curar os ossos quebrados contribuiu em muito para a longevidade da espécie humana. Os achados arqueológicos mostraram evidências de fraturas tratadas em ossos do Homem de Neanderthal que datam de 130 mil anos atrás. Este artigo examina brevemente os vários métodos utilizados para tratar fraturas com especial atenção ao que os antigos egípcios e greco-romanos tinham em seu repertório e como seriam os ortopedistas da época.

Tratamento das Fraturas no Antigo Egito

Papiro de Edwin Smith

De longe, a literatura mais impressionante referente aos antigos métodos de tratamento decorre do Papiro de Edwin Smith. Ele remonta ao Segundo Período Intermediário no Egito, cerca de 1600 ac. Ao contrário dos documentos contemporâneos de sua época ( Ebers papyrus) que enfatizam a magia, apresenta o gerenciamento médico do ponto de vista científico. Há 48 casos mencionados alguns estão completos e descrevem várias fraturas do úmero ( ombro) e o que parece ser a técnica de redução de uma luxação anterior escapulo umeral.
Ele detalha os métodos de tração usando "algo entre as escápulas ( omoplatas) " e puxando até a fratura se reduzir ( retornar ao lugar correto). Parece que o método de imobilização é semelhante às técnicas modernas de gesso em que o médico egípcio aplicou bandagens de pano e alúmen. Eles usavam o mel como um complemento para o tratamento de fraturas e trocavam as ataduras regularmente.

Uma descrição no papiro de Edwin Smith pode ser a primeira documentação da redução da fratura exposta. Ele menciona uma técnica chamada "nekhebkheb", o que significa "mover, mexer ou colocar no lugar a fratura sob os dedos do médico". As feridas superficiais foram tratadas de forma semelhante com ligaduras de alumen ( tipo de sal que é solúvel em aguá e álcool e endurece em temperatura ambiente), mel e óleo. As lesões graves com osso exposto através da pele e do músculo foram descritas como sem esperança, independentemente do tratamento.

Arqueólogos encontraram vários restos esqueletais com fraturas cicatrizadas que datam dos tempos egípcios antigos, que representam evidências do sucesso do gerenciamento ortopédico na antiguidade. Há também evidências de talas e bandagens encontradas em múmias que ilustram a técnica, como mencionado no Papiro de Edwin Smith, o que sugere que as pessoas aprendiam com experiências anteriores e literatura atual e podem ser a primeira evidência que temos das educação médica continuada em  Ortopedia.

Tratamento das Fraturas na era Grego Romana

Greco-Romanos

Hipócrates (460 ac-370 ac). O método hipocrático de redução do ombro após a deslocação ainda é ensinado em escolas médicas modernas e representa um testamento de seu legado onde a tração é aplicada com o pé na axila fornecendo contra-tração. Ele também é reconhecido por descrever um método para reduzir as fraturas do úmero onde o paciente está sentado com uma haste na axila, tendo tido a tração aplicada no braço sob a forma de pesos. O médico reduz a fratura manualmente e se imobiliza com o uso de ligaduras. De notar, as ligaduras são embebidas em óleo, resina, cera ou cerato para fornecer rigidez. Ele menciona que as ligaduras devem ser alteradas regularmente para torná-lo mais apertado, o que atesta a compreensão dos gregos da inflamação dos tecidos moles. O testamento do sucesso da escola de pensamento hipocrática se manifesta através dos escritos dos seguintes médicos, nomeadamente Galen (129-215 dc) e Celsus (25 ac-50 dc).

Celsus (25 ac-50 ad) foi um romano e a ele é creditado uma compilação ( livro ) conhecida como "De Medicina", que compreende artigos que vão desde medicina, filosofia, lei e táticas militares. Ele é conhecido por sua descrição anatômica de fraturas (proximal, central, distal) e seus respectivos tratamentos e prognósticos. Suas contribuições incluem descrições do tipo de curativas e como o uso de diferentes técnicas em sua aplicação se adequaria a vários tipos de lesões (por exemplo, usando bandagens mais longas para o úmero proximal em comparação com fraturas distal / eixo). Ele difere de Hipócrates em que suas ligaduras foram molhadas com vinho e óleosao vicente gavea beta 2 unimed.

Outra pessoa notável é Oribasius (325-397 dc), que é creditado pela compilação de escritos médicos e livros que se pensava estarem disponíveis na grande biblioteca de Alexandria. Entre suas muitas contas, inclui uma descrição da redução da articulação do ombro em fraturas-luxações do úmero antes da fixação da fratura. Oribasius recomendou o banco hipocrático "scamnum" para o tratamento de tais fraturas.

É importante apreciar que a Ortopedia é um campo em constante expansão com novas descobertas, conhecimentos e técnicas sendo descobertas e melhoradas com o tempo. Métodos antigos foram refinados ao longo das gerações, o que nos permitiu melhorar a gestão de fraturas abertas, deslocamentos complexos e estabelecer o campo da artroplastia ( substituição de uma articulação por uma prótese).
Outras civilizações tiveram sua parcela de contribuição incluindo os árabes medievais, práticas antigas da Índia e da China porém que são pouco conhecidas por nós ocidentais.

Dr. Marcos Britto da Silva
Ortopedista, Traumatologista e Médico do Esporte
Botafogo, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Atualizado em 06/03/2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ANTES DE POSTAR SEU COMENTÁRIO Leia SOBRE O BLOG

http://www.marcosbritto.com/p/blog-page.html

Somente os seguidores do Blog poderão postar comentários.
Não realizamos consultas pela internet!

Google+ Followers