Dr. Marcos Britto da Silva - Ortopedia, Traumatologia e Medicina Esportiva: 09/01/2010 - 10/01/2010

Dor e Lesões no Ombro

Hábitos posturais podem provocar dor nos ombros?
Sim, os hábitos posturais são uma causa frequente de dor nos ombros.

Quais hábitos posturais levam a dor nos ombros?
Quanto colocamos a mão acima da cabeça ao atrás da cabeça, a região da grande tuberosidade colide contra o arco coraco acromial e provoca uma isquemia ( falta de sangue) temporária na região  
(Síndrome de impacto - FOTO - Vista anterior do ombro com a grande tuberosidade colidindo contra o acrômio quando colocamos a mão atrás da cabeça).

Caso essa posição permanece durante muitas horas a isquemia pode provocar micro lesões no tendão. Com o passar dos meses e dos anos pode ocorrer ruptura do manguito rotador. Essa posição é muito comum na hora de dormir. Alguns pacientes tem o hábito de dormir com a mão acima ou atrás do travesseiro, as vezes sob o travesseiro.

Fotos essas posições colocam o manguito rotador em isquemia e podem levar ao surgimento das tendinites, bursites do ombro. Assistir TV por várias horas,com a mão atrás da cabeça provoca as mesmas lesões.











Durante o trabalho também é comum hábitos posturais incorretos. Um dos principais fatores desencadeantes de dor no ombro (por problemas posturais no trabalho) está relacionado ao fato de trabalhar durante horas sem apoio para o cotovelo. Quando digitamos sem apoiar o punho e o cotovelo levamos os músculos da cintura escapular a fadiga  Os músculos fatigados são mais facilmente lesados. Com o tempo surgem dores na parte posterior do ombro ( mialgia do trapézio, romboide, etc) e posteriormente surgem os problemas dentro da articulação. O hábito de dirigir segurando na parte de cima do volante também pode levar a dor, principalmente na região posterior do ombro.
Digitar sem apoio para o cotovelo pode levar também a uma sobrecarga do músculo deltóide . Esse pode se sobrepor a centralização da cabeça umeral  levando a ascensão dessa que colidi contra o acromio provocando novamente uma síndrome de impacto. 


Posição errada de digitação sem apoio do cotovelo

Posição correta para digitação com apoio do cotovelo. Devemos usar também apoio para o punho. Essa a posição correta para digitar quando a cadeira não tem braços para apoiar o cotovelo, Avançamos a cadeira e apoiamos os cotovelos na mesa.


Como prevenir e tratar as dores no ombro provocadas por hábitos posturais equivocados?
O primeiro passo é identificar os problemas posturais a seguir devemos mudar os hábitos posturais em terceiro lugar devemos procurar um ortopedista para diagnosticar quais grupos musculares estão acometidos para instituir o trabalho fisioterápico ou de reforço muscular em academia e dessa maneira melhorar a dor.

Hábitos posturais também provocam dores no esporte?
Sim, o movimento incoordenado e feito de modo incorreto provoca dores e lesões nos atletas e nos esportes.

Quais esportes e atividades estão ligadas a dores no ombro?
As dores no ombro estão ligadas a todos os esporte, porém, é mais frequente nos esportes com movimento tipo arremesso e com movimentação ativa das mãos acima do nível dos ombro. exemplo: Volei, natação, beisebol, ténis, etc. porém atletas cem outras modalidades também apresentam dor no ombro. Exemplo Luta livre, haltefilismo, etc.

Erros posturais e de execução de movimento nos atletas.
As dores do ombro no atleta ligadas a problemas posturais estão relacionadas com a realização do movimento de arremesso em posição errada. Ao realizarmos o movimento de arremesso para atirar uma pedra, cortar uma bola no vólei a arremessar uma bola no beisebol.
No movimento de arremesso realizamos uma seqüencia de movimentos com o tórax e com o membro superior. O tórax e o membro superior devem mover-se coordenadamente e o tórax não deve ficar mais à frente que o ombro. O movimento ideal do ombro é feito no plano da escápula.

Na foto ao lado observamos as posições "A" e "B" - 
A posição "A" é a posição correta para arremessar. 
Observe que o ombro está cerca de 30 graus a frente da linha do corpo na posição "A".

A posição "B" é incorreta e pode levar ao alongamento da cápsula anterior do ombro e ao impacto interno. 
Alguns pacientes desenvolvem dor causada pela instabilidade anterior devido a alongamento ligamentar e da cápsula anterior.



Ortopedista, Traumatologista e Médico do Esporte
Rio de Janeiro, RJ, Brasil
atualizado em 20/10/2010


Leia mais:

IFA Impacto FemoroAcetabular

O diagnóstico de impacto femoro acetabular é relativamente recente na ortopedia e devido a esse fato geralmente é tratada pelo especialista em medicina desportiva ou pela ortopedista especialista em quadril.

O que é o impacto femoroacetabular?
O impacto femoro acetabular é o choque da cabeça do fémur contra o acetabulo.

O impacto femoro acetabular pode causar osteoartrite do quadril?
Sim, o impacto acetabular pode levar a artrose do quadril no paciente jovem. O contato entre o colo do fémur e o rebordo acetabular pode levar a lesão do labrum acetabular que pode progredir para uma artrose num paciente antes dos 50 anos de idade, principalmente nos atletas.

Quais os tipos de impacto femuro acetabular?
Segundo Ganz et al. existem dois tipos básicos de impacto femoroacetabular: Cam e Pincer. O impacto tipo CAM ocorre quando a cabeça do fémur  tem um raio de curvatura excêntrica e a cabeça femoral não encaixa perfeitamente dentro do acetábulo. O impacto femuro acetabular tipo Pincer ocorre devido a um choque anormal entre o colo do fémur e a reborda acetabular.

Classificação de Ganz para impacto femoro acetabular.
 

















Qual a história natural do impacto femoro acetabular?
A doença em geral inicia quando o paciente é adulto jovem, geralmente atleta de alta ou baixa demanda. Os sintomas inicialmente são de pouca intensidade ou podem surgir após um trauma pequeno do quadril. Os sintomas de dor em geral são intermitentes e pioram com a atividade física como caminhadas ou corridas e eventualmente nos treinos de outros esportes. As dores em geral são na região do quadril porém algumas vezes o paciente pode referir dor próxima ao joelho ou principalmente na face medial. Alguns paciente relatam piora da dor no movimento de levantar da cama ou da cadeira.

Como é feito o diagnóstico do da síndrome de Impacto femoroacetabular?
O diagnóstico é feito através do exame clínico com manobras especiais, exame radiográfico do quadril e da ressonância nuclear magnética.

Como é feito o tratamento do Impacto femoroacetabular?
No não atleta realizamos mudança nos hábitos de atividade física, porém nos atletas em geral o tratamento é cirúrgico pois em geral as dores estão relacionadas a atividade física e o atleta não quer passar a ter uma vida sedentária. Importante diferenciar o impacto femoroacetabular de outras patologias que provocam os sintomas semelhantes me isso é feito com um exame clínico acurado, interpretação dos exames de imagem  e da história clínica.

Dr. Marcos Britto da Silva
Rio de Janeiro, RJ, Brasil
atualizado em 04/09/2016

Referencia da imagem publicada nesse artigo:
Journal American Academy Orthopaedic Surgery  2007;15:561-570
Autores: Dr. Parvizi is Associate Professor (Rothman Institute at Thomas Jefferson University Hospital, Philadelphia, PA.
Dr.Leunig is Associate Professor, Department of Orthopedic Surgery, Balgarist University Hospital, Zurich,
Switzerland.
Dr. Ganz is Professor, Department of Orthopedic Surgery, Balgarist University Hospital.

Osteonecrose Avascular da Cabeça Umeral

A Osteonecrose, também denominada necrose avascular ou necrose asséptica, é definida como a morte em situ de um segmento do osso. A osteonecrose pode ser primária, espontânea ou idiopática, quando uma etiologia clara não pode ser estabelecida, ou secundária a uma variedade enfermidades

Como Classificamos a osteonecrose?
A osteonecrose pode ser classificado como pós-traumático ou não traumatica.

Como ocorre a osteonecrose da cabeça do úmero?
A osteonecrose traumática da cabeça do úmero ocorre devido a interrupção do fornecimento de sangue para a cabeça do úmero e subsequente ocorre a morte do osso justa-articular. 

Qual a indidencia de necrose avascular na cabeça do Umero?
A cabeça do úmero é o segundo local mais comum de osteonecrose sintomática, após a cabeça femoral.

Qual a etiologia da osteonecrose não traumática da cabeça umeral?
A causa mais comumente reportada na osteonecrose não traumatica é o uso de corticosteróide. Osteonecrose normalmente segue a administração crônica de corticóides em altas doses. Um estudo prospectivo recentemente concluído mostra que a incidência de osteonecrose em pacientes recebendo corticóides em altas doses é inferior a 5%. Estudos em coelhos mostraram que a osteonecrose corticosteroide-induzida  ocorre somente se houver alguma doença subjacente associada. Assim, os corticosteróides podem eventualmente ser apenas parcialmente responsável para o desenvolvimento da osteonecrose "corticosteroide-induzida"

Quanto tempo apos o uso de corticoide pode surgir a osteonecrose?
O intervalo entre a administração de corticosteróides e do início dos sintomas no ombro  é variável de 6 a 18 meses em grandes series. Isto é comparável ao intervalo que antecedem ao início dos sintomas no quadril, que varia de 6 meses a 3 anos ou mais. 

Outras causas relacionadas ao surgimento de osteonecrose da cabeça umeral. 
Hemoglobinopatias, anemia falciforme, doença dos mergulhadores de aguas profundas (descompressão), doença de Gaucher (Doença de herança autossômica recessiva que provoca acúmulo anormal de glucocerebrosideo, comum em judeus Ashkenazi) 
O uso crônico do álcool é um importante fator de risco para osteonecrose, apesar de relatos diferentes sobre a sua importância. Hattrup Cofield constatou que 6% osteonecrose da cabeça do úmero pode ser atribuído ao abuso de álcool, contra 56% atribuídos ao corticosteróide e 20% a traumatismos. Estudos têm demonstrado um forte associação entre tabagismo e o uso excessivo do álcool e a osteonecrose.
Um estudo demonstrou um aumento de 18 vezes no risco entre os indivíduos consumindo mais do que um litro de álcool por semana em comparação com os abstêmios e um aumento de 4 vezes entre os fumantes em comparação com os não fumantes, deste último presumivelmente resultantes de vasoespasmo local.

Outros fatores de risco
Alguns casos de osteonecrose surgem em associação com outras doenças sistêmicas como a síndrome de Cushing e lúpus eritematoso sistêmico. Em muitos casos, a etiologia subjacente é confundido por tratamento crónico com corticosteróides. 
Outros fatores de risco para osteonecrose não traumática incluem quimioterapia, hiperuricemia, hiperlipidemia, mixedema, pancreatite, doença vascular periférica, diálise crônica e gravidez.

Qual a Patogênese da osteonecrose avascular da cabeça do umero?
Boa parte da literatura sustenta a teoria de que um denominador comum fisiológico para o desenvolvimento da osteonecrose é a interrupção da suprimento de sangue normal do osso, levando à morte celular. Isto explica a osteonecrose pós-traumático, mas outros explicações têm sido propostas para a patogênese da osteonecrose não traumatica: O suprimento sanguineo deve ser comprometido em 1 de quatro maneiras: (1) uma ruptura mecânica dos vasos sanguíneos, (2) lesão ou compressão das paredes arteriais, (3) obstrução de fluxo arterial, tais como trombose e embolia, e (4) obstrução do fluxo venoso.

Como o abuso do álcool pode levar a osteonecrose?
O uso excessivo de álcool pode causar osteonecrose devido a uma maior produção de gordura no fígado que causaria embolizaçao no osso subcondral. Alterações na medula óssea podem levar a estase venosa e mais necrose. Um aumento na pressão na medula óssea também tem sido implicado na osteonecrose induzida pelo alcool.

Outros fatores de risco para osteonecrose da cabeça umeral.
Doenças sistêmicas que causam o infarto ósseo, tais como lúpus eritematoso sistêmico e artrite reumatóide estão relacionados a interrompição do suprimento vascular a nível intra-arterial.

Como é classificada a osteonecrose de Cabeça Umeral ?
Usamos o sistema de classificação Ficat-Arlet, descrita inicialmente em 1968 e revisto em 1980, e adaptada por Cruess
Fase I osteonecrose a ausência de lesões na radiografia vista somente na ressonância magnética ou a cintilografia óssea
Fase II é a primeira fase com alterações radiográficas. É caracterizada por esclerose da porção superior central da cabeça do úmero cabeça.
Fase III observamos o sinal do crescente, O fragmento fraturado é frequentemente esclerótica e é melhor visualizado na radiografia ântero-posterior com o braço em rotação externa ou em um axilar
Fase IV estágio da doença é caracterizada pela amplo colapso do osso subcondral na adjacente do osso necrótico e extensa destruição do osso trabecular levando a artrite secundária.
Fase V é o estágio final de osteonecrose, em que a glenóide também está envolvido, levando a uma incongruência da articulação glenoumeral

Como é a história natural da osteonecrose avascular da cabeça do úmero?
A historia natural varia muito, por isso é difícil de prever se os pacientes irão desenvolver uma artrose grave. O papel do cirurgião ortopedista é tentar evitar a progressão da doença e reconhecer os sinais de risco, indicando o tratamento cirúrgico antes do paciente chegar a fase IV ou V quando realizaremos uma artroplastia total.

Qual médico deve cuidar da minha Osteonecrose avascular do úmero? (resposta ao Blog)
A avaliação inicial será feito pelo médico que o acompanha, principalmente se o paciente for portador de uma patologia de base, normalmente esse profissional encaminha o paciente para um parecer ortopédico. O ortopedista pode realizar esse acompanhamento, porém, em alguns casos ele refere esse paciente para o ortopedista especialista em ombro e cotovelo de acordo com a sua experiência em tratar essa patologia.

Leia mais sobre osteonecrose
 
Dr. Marcos Britto da Silva
Rio de Janeiro, RJ
atualizado em 13/09/2010

Google+ Followers