Fratura do Ombro

As fraturas de ombro são frequentes?
Sim, as fraturas do terço proximal do umero são muito comuns, principalmente nos pacientes mais idosos.

Quais os sinais clínicos da fratura no ombro?
Os sinais clínicos mais frequentes na fratura de ombro são: dificuldade ou impotência funcional para levantar o braço, crepitação no ombro e comumente surge uma mancha roxa na parte interna do braço 2 dias após a fratura.

As quais ossos compõem a articulação do ombro?
A articulação do ombro compreende a escapula a clavícula e o úmero, em geral quando os médicos referem a fratura do ombro estão se dizendo que o paciente quebrou o 1/3 proximal do úmero.

Como é feita a classificação das fraturas do ombro?
O terço proximal do Úmero pode ser dividido em 4 fragmentos: diáfise, colo, pequena tuberosidade ou Troquin e Grande tuberosidade ou Troquiter. Quando 1 fragmento s destaca dizemos que ocorreu um fratura em 2 partes, exemplo 2 partes colo cirúrgico, 2 partes troquíter, 2 partes pequeno tuberosidade, As fratura também podem ser classificadas em 3 e 4 partes além das fraturas luxações fraturas luxações. As fraturas isoladas das tuberosidades são raras e ocorrem mais frequentemente em associação com as luxações. A luxação anterior está associada a fratura da Grande tuberosidade e a luxação posterior esta associada a fratura da pequena tuberosidade.

As fraturas do terço proximal do úmero são graves? Precisam ser operadas?
A grande maioria pode ser tratada de modo não operatório. O tratamento conservador é eficiente em aproximadamente 80% dos casos, principalmente em paciente pais idosos. Nos pacientes mais jovens as fraturas estão relacionadas a trauma de alta energia que provocam fraturas mais graves, com vários fragmentos (cominutivas) e essas em geral requerem tratamento cirúrgico.

Quais os critérios para indicar cirurgia para as fraturas do terço proximal do úmero?
Quando a fratura está desviada mais de 1 cm ou angulada mais de 45 graus em geral indicamos cirurgia, fraturas da grande tuberosidade (Troquiter ) quando desviada mais de 0,5 cm também tem indicação cirúrgica


Como e feito o tratamento cirúrgico da fratura do terço proximal do úmero?
O osteossintese do 1/3 proximal do úmero requer materiais especiais e cirurgiões experientes. Hoje conseguimos realizar cirurgia com técnica minimamente invasiva com auxílio de placas bloqueadas e em alguns casos com hastes intramedulares. Fraturas mais graves em pacientes mais idosos podem também ser tratadas com artroplastia de Ombro ( prótese de ombro: parcial ou total )

Como é o pós operatório da cirurgia para fratura de ombro ( 1/3 proximal do úmero)?
O paciente usa uma tipoia que retirada para realização de fisioterapia, a fisioterapia é fundamental no pós operatório de todas as cirurgias de ombro e por isso mantenho um quadro de fisioterateutas com atendimento domiciliar para todos os meus pacientes em pós operatório.

Quando retorno as minhas atividades normais?
Isso ocorre após a consolidação da fratura, em 2/3 meses o paciente consegue fazer atividades leves, a liberação ocorre a medida que a fratura cola, não existe uma regra única para todos. Cada caso é um caso.

Comentários

  1. BOA NOITE DOUTOR. EU ME CHAMO MARIA JUÇARA TENHO 52 ANOS O MEU PROBLEMA E QUE LEVEI UMA QUEDA DE UMA CADEIRA A 2 MESES FUI LEVADA A UM PONTO SOCORRO AQUI EM BACAXA MAIS NAO ENGESARAO O MEU BRAÇO A FRATURA FOI BEM NO OMBRO O MEDICO DE PLANTAO FALOU QUE FOI NA CABEÇA DO UMBRO . DESDAI ESTOU SENTINDO MUITAS DORES EU QUERIA MARCA UMA CONSULTA PRA AMANHA SABADO ESTA CUSTANDO GUANTO OU OUTRO DIA VARIAS PESSOAS ME RECOMENDARAO QUE EU PROGURACE O SENHOR TENHA UMA BOA NOITE VOU




    PROCURAR PELO SENHOR TA OBRIGADA.

    ResponderExcluir
  2. BOA NOITE DR. HÁ EXATAMENTE 10 (DEZ) DIAS, CAÍ SOBRE MEU OMBRO DIREITO DISPUTANDO UMA PARTIDA DE FUTEBOL. O RAIO X COM LAUDO ACUSOU FRATURA VERTICAL DA TUBEROSIDADE UMERAL MAIOR, DESALINHADA E NÃO CONSOLIDADA, COM FRAGMENTO MEDINDO 60 x 25mm. NO ENTANTO, APRESENTA ESPAÇOS ARTICULARES CONSERVADOS E PARTES MOLES ADJACENTES SEM CALCIFICAÇÕES OU LESÕES APARENTES. NESTE CASO GOSTARIA DE SABER DO SENHOR, SE HÁ NECESSIDADE DE REPARAÇÃO CIRÚRGICA COM PINOS OU SE POSSO REALIZAR O TRATAMENTO CONVENCIONAL SEM A NECESSIDADE DE INCISÕES TOTALMENTE INVASIVAS? ESPERO SUA RESPOSTA BREVEMENTE.
    MUITO OBRIGADO E BOA NOITE.

    ResponderExcluir
  3. As fraturas da grande tuberosidade quando apresentam desvio podem causar impacto secundário e levar a dor. Consulte seu ortopedista para que ele possa avaliar o grau de desvio do fragmento e determinar se há ou não indicação cirúrgica

    ResponderExcluir
  4. Boa noite! me chamo Janaina tenho 35 anos, faz um mês que tropecei e caí e segundo o resultado da ressonância eu estou com uma fratura na cabeça umeral são fraturas ocultas de permeio estou somente imobilizada por tipoia normal gostaria de saber se demora muito tempo para calcificar?

    ResponderExcluir
  5. O processo de cicatrização em pacientes jovens e saudáveis que tem uma boa alimentação com verduras, legumes, proteínas, uma boa fonte de cálcio como leite e derivados e tomam Sol todos os dias é normal e rápida.

    ResponderExcluir
  6. Boa noite me chamo Claudinei eu tive uma fratura no ombro direito proximal que já faz 52 dias e tenho dificuldades de erguer o braço é normal isso.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

ANTES DE POSTAR SEU COMENTÁRIO Leia SOBRE O BLOG

http://www.marcosbritto.com/p/blog-page.html

Somente os seguidores do Blog poderão postar comentários.
Não realizamos consultas pela internet!

Mais Lidos

Compressão do Nervo Ulnar no Cotovelo e Punho

Consolidação das Fraturas

Vitamina D Pura DePURA

Lesão Meniscal no Joelho

Cirurgia para tratamento da Fratura de Tornozelo

Frio ou Calor

Fratura de tíbia - Diafisaria

Cisto de Baker no Joelho

Entorse do Tornozelo

Bula do Addera D3

Minha foto
MARCOS BRITTO DA SILVA
Brazil
- Médico Ortopedista Especialista em Traumatologia e Medicina Esportiva - Chefe do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Pró-Cardíaco, - Professor Convidado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, - Membro Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte | SBMEE, Médico do HUCFF-UFRJ, - International Affiliate Member of the AAOS - American Academy of Orthopaedic Surgeons - Membro da Câmara Técnica de Ortopedia e Traumatologia do CREMERJ, - Especialista em Cirurgia do Membro Superior pela Clinique Juvenet - Paris, - Professor da pós Graduação em Medicina do Instituto Carlos Chagas, - Professor Coordenador da Liga de Ortopedia e Medicina Esportiva dos alunos de Medicina da UFRJ, - Membro Titular da SBOT - ( Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia), - Membro Titular da SBTO - ( Sociedade Brasileira de Trauma Ortopédico), - Mestre em Medicina pela Faculdade de Medicina da UFRJ - Internacional Member AO ALUMNI Association, - Internacional Member: The Fédération Internationale de Médecine du Sport,(FIMS)/International Federation of Sports Medicine (http://www.fims.org),