Dr. Marcos Britto da Silva - Ortopedia, Traumatologia e Medicina Esportiva: 08/01/2013 - 09/01/2013

Forteo Bula Medicação Teriparatida

Substancia ativa: teriparatida ( derivada de ADN recombinante ) 

APRESENTAÇÕES FORTÉO COLTER PEN é uma solução estéril, isotônica, transparente, incolor, para administração subcutânea contendo 250 mcg de teriparatida por mL. FORTÉO é apresentado em embalagem com uma caneta injetora e cartucho de 2,4 mL, contendo 28 doses diárias de 20 mcg de teriparatida.

EXCLUSIVAMENTE PARA USO SUBCUTÂNEO 
USO ADULTO ACIMA DE 18 ANOS 

COMPOSIÇÃO 
Cada mL da solução contém: 
teriparatida................................................................250 mcg 
Excipientes: ácido acético glacial, acetato de sódio anidro, manitol, metacresol e água para injeção. Ácido clorídrico e/ou hidróxido de sódio podem ser adicionados durante a fabricação para ajuste do pH. 

INFORMAÇÕES AO PACIENTE 
PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO? 
Osteoporose é uma doença que torna os ossos mais frágeis e finos. É uma doença que ocorre  principalmente em mulheres após a menopausa, mas também pode ocorrer em homens.  Osteoporose também é comum em pacientes que fazem uso de corticosteroides. 

FORTÉO é indicado para o tratamento da osteoporose com alto risco para fraturas tanto em mulheres na pós-menopausa como em homens. O alto risco para fraturas inclui um histórico de fratura osteoporótica, ou a presença de múltiplos fatores de risco para fraturas, ou falha ao tratamento prévio para osteoporose conforme decisão médica. FORTÉO também é indicado para o tratamento da osteoporose associada à  terapia sistêmica com glicocorticoides, tanto em homens quanto em mulheres. 

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA? 
FORTÉO COLTER PEN pertence a uma nova classe de agentes formadores de ossos, e a administração diária de FORTÉO estimula a formação de um novo osso, aumentando a massa óssea. De acordo com estudos pós comercialização os pacientes começam apresentar melhora nas fraturas com 6 a 9 meses de tratamento com FORTÉO

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO? 
FORTÉO não deve ser usado por pacientes alérgicos à teriparatida ou a qualquer  um dos seus excipientes. 

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO? 
Advertências e Precauções


FORTÉO COLTER PEN pode causar aumento nos valores de cálcio no sangue. Relate ao seu médico se você tiver náusea, vômito, constipação, baixa energia e dores musculares, pois estes podem ser sinais de um aumento considerável de cálcio no sangue. FORTÉO também pode causar aumento nos valores de cálcio na urina. Por isso, relate ao seu médico se você já tem ou já teve pedras no rim, ou algum problema renal. Os seguintes grupos de pacientes devem ser excluídos do tratamento com FORTÉO: pacientes com doenças ósseas, incluindo hiperparatireoidismo e Doença de Paget; pacientes com valores inexplicavelmente altos de fosfatase alcalina no sangue; crianças ou adultos em crescimento; pacientes que já tiveram diagnóstico de câncer de osso ou outros cânceres que espalharam para o osso (metástases); pacientes submetidos a terapias radioativas envolvendo os ossos; pacientes com alta concentração de cálcio no sangue (hipercalcemia) e pacientes com dificuldade de auto-aplicação da injeção de FORTÉO e que não tenham ninguém que possa ajudá-los.
Casos de hipotensão ortostática (queda de pressão arterial ao levantar) foram relatados com o uso de FORTÉO COLTER PEN. Por esta razão, alguns pacientes sentem tontura e taquicardia (batimento excessivo do coração) após administração das primeiras doses. Normalmente, eles ocorrem quatro horas após a administração do medicamento e desaparecem espontaneamente em alguns minutos ou horas. Por isso, para as primeiras doses, injete FORTÉO COLTER PEN onde você possa sentar-se ou deitar se sentir tontura. O efeito do tratamento com FORTÉO COLTER PEN sobre o desenvolvimento do feto humano não foi estudado. Portanto, FORTÉO COLTER PEN não deve ser administrado em mulheres grávidas.  FORTÉO COLTER PEN não deve ser administrado a mulheres que estejam amamentando. Não houve estudos clínicos para determinar se FORTÉO COLTER PEN é secretado no leite materno.  Este medicamento não deve ser usado por mulheres grávidas ou amamentando sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. Alguns pacientes podem sentir tontura após a administração de FORTÉO COLTER PEN. Caso o paciente sinta este sintoma, ele não deve dirigir ou operar máquinas até que se sinta melhor.

Exames laboratoriais: 
FORTÉO COLTER PEN pode induzir aumentos pequenos e transitórios nas concentrações de cálcio no sangue. Caso você precise realizar um exame de sangue para avaliar as concentrações de cálcio sérico, deverá realizá-lo 16 horas após a administração da sua dose de FORTÉO COLTER PEN para que o medicamento não interfira nos resultados do exame. FORTÉO COLTER PEN também pode provocar pequenos aumentos na excreção de cálcio na urina. Caso necessite realizar exame de urina, informe seu médico sobre o uso de FORTÉO, ele pode causar pequenos aumentos nas concentrações de ácido úrico no sangue (hiperuricemia). Entretanto, a hiperuricemia não resultou em um aumento de gota, urolitíase ou artralgia.

Interações medicamentosas
Não foram identificadas interações medicamentosas clinicamente significantes entre FORTÉO COLTER PEN e os seguintes medicamentos: hidroclorotiazida, furosemida, digoxina, atenolol e preparações de liberação prolongada de diltiazem, nifedipina, felodipina e nisoldipina.  Por isso, relate sempre ao seu médico se estiver fazendo uso de algum medicamento contendo  alguma dessas substâncias.  A coadministração de FORTÉO COLTER PEN com EVISTA® não alterou os efeitos do FORTÉO COLTER PEN em relação à concentração de cálcio na urina e no sangue, nem os eventos adversos. FORTÉO COLTER PEN pode ser administrado com alimento.  Não foram conduzidos estudos para avaliar a interação de FORTÉO COLTER PEN com ervas medicinais, álcool, nicotina e exames não laboratoriais. Informe ao médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO? 
FORTÉO deve ser mantido sob refrigeração (2 a 8 ºC). Durante o período de uso, o tempo de exposição à temperatura ambiente deve ser o menor possível e a dose deve ser administrada imediatamente após a retirada de FORTÉO COLTER PEN do refrigerador. Não congelar. Não usar o FORTÉO se tiver sido congelado. O prazo de validade do produto é de 24 meses quando mantido sob refrigeração antes do primeiro uso. Após a primeira injeção, o prazo de validade do produto é de 28 dias. Após esse período a caneta deve ser descartada mesmo se ainda contiver produto.  FORTÉO é um líquido límpido e incolor. Não use se aparecerem partículas ou se a solução estiver turva ou colorida. Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original. Após aberto, válido por 28 dias. Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se pode utilizá-lo.  Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance de crianças. 

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO? 
Modo de uso: Administre FORTÉO COLTER PEN em injeção subcutânea (abaixo da pele), na coxa ou abdômen (área abaixo do estômago), uma vez ao dia pelo período que o seu médico prescrever. O uso de FORTÉO COLTER PEN por mais de 24 meses não é recomendado. A dose recomendada é de 20 mcg uma vez ao dia. Não estão disponíveis informações sobre a eficácia e segurança da injeção intravenosa ou intramuscular de FORTÉO. Uso da caneta: Siga corretamente as instruções de uso da caneta presentes no “Manual do Usuário” que acompanha o produto, consultando-o toda vez que a prescrição for renovada. É importante que o paciente e as pessoas que farão a administração de FORTÉO recebam orientação adequada sobre as instruções de uso da caneta. Portanto, é importante ler, entender e seguir as instruções de uso da caneta. Falhas podem resultar em dose incorreta. Alguns pacientes sentem tontura ou têm taquicardia após as primeiras doses. Para as primeiras doses, injete FORTÉO COLTER PEN onde você possa sentar ou deitar se sentir tontura. 
Nunca compartilhe a caneta FORTÉO COLTER PEN. Injete FORTÉO COLTER PEN rapidamente após retirar a caneta do refrigerador. Coloque a tampa da caneta e coloque-a de volta no refrigerador logo após o uso (Veja o “Manual do Usuário”). Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico. 

O QUE EU DEVO FAZER SE EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO? 
Se você esquecer ou não puder aplicar FORTÉO COLTER PEN na hora usual, injete-o tão logo seja possível naquele dia. Não tome mais de uma injeção no mesmo dia. Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR? 
Eventos adversos relatados durante estudos clínicos
Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): espasmos musculares (câimbras) nas pernas, enjoo (náusea) e aumentos nas concentrações de  ácido úrico no sangue (hiperuricemia). 
Eventos adversos espontâneos
Desde a introdução de FORTÉO  no mercado, os eventos adversos incluíram: 
Reação muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento): espasmos musculares (câimbras) graves na região dorso-lombar.
Reação rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento): eventos alérgicos possíveis logo após a injeção, dispneia aguda (dificuldade para respirar),  edema oro-facial (inchaço na boca e no rosto), urticária (coceira) generalizada, dor no peito e 
hipercalcemia. 
Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): espasmos musculares (câimbras), tanto nas pernas como na região dorso-lombar. 
Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações  indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento. 

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A  INDICADA DESTE MEDICAMENTO? 
Não foram relatados incidentes de superdose durante os estudos clínicos. Os efeitos de superdose que podem ser esperados incluem um atraso no efeito calcêmico e risco de hipotensão ortostática. Náusea, vômito, tontura e dor de cabeça também podem ocorrer. Em relatos espontâneos pós-comercialização do produto, há casos em que o paciente administrou todo o conteúdo da caneta (800 mcg) de uma só vez. Nestes casos, as reações mais comuns são náusea, letargia, fraqueza e hipotensão (diminuição da pressão arterial). Em alguns casos, porém, nenhum evento adverso ocorreu como resultado da superdose. Não há fatalidades relatadas pelo uso de uma quantidade exagerada de FORTÉO. Não há um antídoto específico para a teriparatida. Para tratar a superdose deve-se descontinuar o uso de FORTÉO COLTER PEN e monitorar os valores de cálcio no sangue. Se suspeitar de superdose, interromper o tratamento e procurar o médico. Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Artigo baseado na Bula original do Forteo - Eli Lilly


Dr. Marcos Britto da Silva
Ortopedista, Traumatologista e Médico do Esporte
Botafogo, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Atulaizado em 18/09/2013

Diálogo e Confiança

O conhecimento médico é aprimorado continuamente e a cada minuto são publicados muitos artigos científicos no mundo, porém, a relação médico paciente é a mesma há mais de 3000 anos e, invariavelmente, deve estar pautada em dois elementos muito simples: o diálogo e a confiança
Não pretendo aqui dar a receita de como cada profissional deve desenvolver seu próprio método para passar confiança ao paciente. Longe de mim tal pretensão. Mas, ao lidar com jovens acadêmicos e residentes, percebo que o foco maior na formação do médico concentra-se no tecnicismo da medicina deixando em segundo plano o humanismo. Humildemente, cito alguns aspectos que ao longo dos meus vinte e poucos anos de profissão, pude notar como essenciais para o desenvolvimento de uma boa relação médico paciente.
Primeiramente, observo que os primeiros anos da profissão são cruciais para o médico aprimorar a forma como dialogar com o seu paciente. Em geral , o médico inicia a carreira em ambientes inóspitos como serviços de pronto atendimento e muitas vezes não tem um tempo adequado para aprimorar essa relação como, por exemplo, a existência de hospitais que não oferecem uma cadeira para o paciente se sentar e, algumas vezes, vários deles são atendidos simultaneamente numa sala com 20 metros quadrados. Esta situação não está limitada ao âmbito da medicina pública, uma vez que há hospitais e consultórios da rede privada onde o profissional vê-se pressionado a atender 6 ou mais pacientes em apenas uma hora. É necessário tomar muito cuidado e não aceitar situações como essas.
Devemos partir do pressuposto ainda de que todos os pacientes são iguais independentemente do nível sócio econômico, uma vez que todos têm as mesmas expectativas e ansiedades.
Neste caso, gestos simples como receber o paciente na porta do consultório com um sorriso e um aperto de mão sincero são o passaporte para que o paciente, que está lhe conhecendo pela primeira vez, se sinta mais à vontade.
A juventude e a ausência de cabelos brancos, muitas vezes, são uma barreira inicial importante nessa relação, porém, serão colocados de lado pelo paciente ao sentir o sólido conhecimento que o médico tem da patologia, externado pela maneira clara e objetiva com que descreve a possível evolução da doença e as medidas adotadas em cada etapa. O segrego portanto é Estude, Estude, Estude !!!
A paciência para ouvir é fundamental. vários pacientes têm dificuldade para dizer a sua queixa principal e podem falar de vários problemas ou omitir vários fatos importantes nos primeiros 15 minutos da consulta.
Quando estiver com paciente muito ansiosos, converse sobre outros assuntos. A consulta médica, mesmo a ortopédica, deve ser longa o suficiente para que o médico conheça um pouco da vida do paciente: onde ele nasceu, qual a origem do seu nome, o que ele gosta de fazer, qual o seu trabalho, perguntas feitas antes do paciente relatar a sua queixa, pequenos gestos que demostram carinho e ajudam o paciente a relaxar e contar o seu problema.
No atendimento do trauma agudo muitas vezes pulamos todas essas etapas, porém, nas dores crônicas a oportunidade de escutar atentamente a história clínica do paciente fornece 50% base do diagnóstico, 30% são fornecidos pelo exame físico e somente 20% são dados pelos exames complementares. Essa relação frequentemente é invertida e a consulta médica fica restrita à solicitação e interpretação dos exames diagnósticos. 
É curioso observar que o inverso também ocorre e muitas vezes o paciente chega ao consultório com uma pilha de exames, muitos deles sem relação direta com as queixas. Nesses casos devemos respirar fundo e ver todos eles. 
A fé do paciente no seu médico representa uma parcela significativa do poder de cura. O médico tem como missão, dentre tantas outras, desenvolver a arte de fazer com que o paciente acredite na sua cura através da adesão incondicional ao tratamento proposto. E não há outro caminho para o médico conquistar a confiança do seu paciente, senão através diálogo.

Marcos Britto da Silva
Ortopedia, Traumatologia e Medicina do Esporte
Botafogo, Rio de Janeiro, RJ
atualizado em 01/11/2013.

Google+ Followers