Dr. Marcos Britto da Silva - Ortopedia, Traumatologia e Medicina Esportiva: Herpes Zoster e Neuralgia Pós Herpética

Herpes Zoster e Neuralgia Pós Herpética

O que é o Herpes Zoster?
O Herpes zoster (vulgarmente conhecido como "cobreiro") e a neuralgia pós-herpética são o resultado da reativação do vírus da varicela-zoster adquiridos durante a infecção primária da varicela ou catapora. 

Quais os fatores de risco para o surgimento do Herpes Zoster?
Considerando que a varicela é geralmente uma doença da infância, herpes zoster e a neuralgia pós-herpética se tornam mais comum com o aumento da idade. Fatores que diminuem a função imunológica, como a infecção pelo vírus da imunodeficiência humana, quimioterapia, neoplasias e uso crônico de corticosteróides e até mesmo queda da imunidade devido a um período mais conturbado da vida podem aumentar o risco de desenvolver herpes zoster. 

O que causa o herpes Zoster?
A reativação do vírus latente da varicela-zoster nos gânglios da raiz dorsal é responsável pela erupção clássica dermatomal e da dor que ocorrem no herpes zoster. 

Quais as características da dor no Herpes Zoster?
A dor em queimação normalmente precede a erupção cutânea por vários dias e podem persistir por vários meses após a surgimento da  erupção cutânea. 

O que é a neuralgia Pós Herpética?
A neuralgia pós-herpética é uma complicação do herpes zoster. Se carcteriza pelo surgimento de dor que pode persistir após a resolução da erupção e pode ser altamente debilitante. 

Qual a eficiência dos medicamento antivirais no Herpes Zoster?
Os medicamentos antivirais são mais eficazes quando iniciados dentro de 72 horas após o início da erupção. A adição de um corticosteróide administrado por via oral pode proporcionar benefícios na redução da dor do herpes zoster e na incidência de neuralgia pós-herpética. 

Como ocorre o Herpes Zoster?
O herpes zoster resulta da reativação do vírus da varicela-zoster. A incidência de herpes zoster aumenta acentuadamente com o envelhecimento, praticamente dobrando a cada década após a idade de 50 anos. A diminuição normal da imunidade celular com o envelhecimento é a provável causa do aumento da incidência nessa faixa etária. 

Transmissão do herpes Zoster.
O herpes zoster não é tão contagiosa quanto a infecção preliminar da varicela (Catapora), pessoas com infecção reativada podem transmitir o vírus da varicela-zoster para contatos não imunes. taxas de transmissão das famílias têm sido observados em cerca de 15% dos casos. 

Qual a Incidência de neuralgia pós herpética?
Cerca de 20 por cento dos pacientes com herpes zoster desenvolvem nevralgia pós-herpética.
O fator de risco mais conhecido é a idade, esta complicação ocorre quase 15 vezes mais em pacientes com mais de 50 anos de idade. Outros possíveis fatores de risco para o desenvolvimento da neuralgia pós-herpética são: o zoster oftálmico, uma história de dor prodrômicos antes do aparecimento de lesões de pele e um estado de imunocomprometimento

Fisiopatologia
O vírus varicela-zoster é um vírus DNA altamente contagioso. Varicela representa a infecção primária na pessoa não imune ou com defesa imunológica incompleta. Durante a infecção primária, o vírus consegue entrar nos nervos sensoriais dos gânglios da raiz dorsal. O modo como o vírus entra no gânglio da raiz dorsal sensorial e reside em neurônios não são completamente compreendidos. 
O vírus permanece latente por décadas por causa da imunidade mediada por células adquirida durante a infecção primária, assim como antígenos endógenos e exógenos reforçam o sistema imunológico periodicamente ao longo vida. A reativação do vírus ocorre após uma diminuição da imunidade vírus específica mediada por células. O vírus reativado percorre o nervo sensitivo e é a causa para a distribuição da dor e das lesões de pele em dermátomos ( faixas da pele ).

Qual a fisipatologia da neuralgia pós herpética?
A fisiopatologia da neuralgia pós-herpética permanece obscuro. Entretanto, os estudos patológicos têm demonstrado danos aos nervos sensitivos, ao gânglio da raiz dorsal sensorial e ao corno dorsal da medula espinhal em pacientes com essa condição.

Apresentação Clínica
A pródromo de dor, ardor, prurido e/ou parestesias geralmente precede o aparecimento de lesões de pele por 1-2 dias. O herpes zoster normalmente apresenta-se com um pródromo consistindo de hiperestesia, parestesia, disestesia, queimadura ou prurido ao longo do dermátomo afetado (s). O pródromo geralmente dura 1-2 dias, mas pode preceder o aparecimento de lesões de pele por até três semanas.
Durante a fase prodrômica, o herpes zoster pode ser diagnosticada como doença cardíaca, pleurisia, um núcleo pulposo herniado ou vários distúrbios gastrointestinais ou ginecológicas. Alguns pacientes podem ter sintomas prodrômicos, sem desenvolver a erupção cutânea característica. Esta situação é conhecida como "Zoster sine herpete", e pode complicar ainda mais o diagnóstico final.

Herpes Zoster
FIGURA 1. Erupção cutânea típica dermatomal com vesículas hemorrágicas no tronco de um paciente com herpes zoster.

A fase prodrômica é seguida pelo desenvolvimento das lesões de pele características do herpes zoster. As lesões de pele começam como uma erupção maculopapular, que segue uma distribuição do dermátomo. A erupção maculopapular evolui para vesículas com base eritematosa (Figura 1). As vesículas são geralmente dolorosas, e seu desenvolvimento é frequentemente associado com a ocorrência de ansiedade e sintomas semelhantes aos da gripe.
A dor é a queixa mais comum para que os pacientes com herpes zoster procurem cuidados médicos. A dor pode ser descrita como "queimação" ou "picadas" e geralmente é implacável. De fato, os pacientes podem ter insônia por causa da dor. Embora qualquer dermátomo vertebral podem estar envolvidos, T5 e T6 são mais comumente afetadas. 
O dermátomo do nervo mais freqüentemente envolvidos cranial é a divisão oftálmica do nervo trigêmeo. Vinte ou mais lesões fora do dermátomo afetado refletem viremia generalizada. As vesículas acabará por se tornar hemorrágica ou turva e surgem crostas no prazo de sete a 10 dias. Quando as crostas caem, geralmente surgem cicatrizes e alterações pigmentares.

Complicações do herpes Zoster
A complicação crônica mais comum do herpes zoster é a neuralgia pós-herpética. A dor que persiste por mais de 1-3 meses após a resolução da erupção é geralmente aceita como o sinal de neuralgia. 
Pacientes afetados pela neuralgia geralmente apresentam queimação constante e dor lancinante que podem ser de natureza radicular. Os pacientes também podem se queixar de dor em resposta a estímulos não-nocivos. Mesmo sob pressão menor de roupas, lençóis ou até mesmo o vento podem provocar dor.

Evolução da neuralgia pós herpética.
A neuralgia pós-herpética é geralmente uma doença auto-limitada. Os sintomas tendem a diminuir ao longo do tempo. Menos de um quarto dos pacientes ainda experimentam a dor seis meses após a erupção do herpes zoster, e menos de um em cada 20 paciente tem a dor após um ano.

Tratamento de Herpes Zoster
O tratamento do herpes zoster tem três objetivos principais: (1) tratamento da infecção viral aguda, (2) o tratamento da dor aguda associada com herpes zoster e (3) prevenção da neuralgia pós-herpética. Agentes antivirais, corticóides orais e adjuvante modalidades individualizado de gestão da dor são usados ​​para atingir esses objectivos.

Antivirais 
Agentes antivirais têm sido mostrados para diminuir a duração do herpes zoster, do prurido e a gravidade da dor associada com a rash. No entanto, esses benefícios só foram demonstrados em pacientes que receberam agentes antivirais no prazo de 72 horas após o início da erupção cutânea. Agentes antivirais podem ser benéficos, desde que novas lesões estejam aparecendo,  Após o surgimento das crostas os antivirais não tem demonstrado eficácia.

Corticosteróides
Os corticosteróide administrado por via oral são comumente usados ​​no tratamento de herpes zoster. Prednisona usada em conjunto com antivirais tem demostrado reduzir a dor associada com herpes zoster. 

Qual o tratamento da neuralgia pós-herpética?
Apesar da neuralgia pós-herpética ser geralmente uma doença auto-limitada em alguns casos pode durar indefinidamente. O tratamento é direcionado ao controle da dor durante a espera para a condição de resolver. A terapia da dor pode incluir múltiplas intervenções, tais como medicamentos tópicos, analgésicos, antidepressivos tricíclicos, anticonvulsivantes e uma série de modalidades não-médicos. 

Dr Marcos Britto da Silva
Ortopedista, Traumatologia e Medicina do Esporte
Botafogo, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Atualizado em 15/04/2010

11 comentários:

  1. Bom dia Dr.!

    Uma grande amiga está passando maus momentos por conta da Zoster, ela só foi diagnosticada depois de 2 meses, apesar das fortes dores dentro do olho e couro cabeludo. Enfim, o tratamento com aciclovir e analgésico foi feito, sem sucesso, estamos nesse sofrimento a 8 meses.
    O que me deixa intrigada, é que ela tem sentido aquela dor insuportável andar pelo corpo, começou na face lado esquerdo, olho e cabeça, depois desceu para as costas, pernas e virilha, agora está no lado direito no punho, isso é possível Dr.?
    Há 5 anos tive zoster no ouvido, com uma paralisia facial grave, graças a Deus hoje estou bem e sem sequelas... Moramos em Salvador, minha amiga tem 48 anos, até agora nem um médico nos da esperança de uma possível melhora, por favor, nos indique alguém aqui na cidade, com essa postagem me senti segura e com um pouco de esperança. Ah! tenho uma duvida, estou gravida, meu filho corre algum risco se eu ficar perto dela?

    Desde já agradeço sua atenção.

    Meu e-mail gutacruzcf@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Herpes Zoster ocorre como uma segunda infecção em quem teve contato com o vírus da varicela (catapora), normalmente na infância. A reinfecção depende da imunidade. Sobre a transmissão de infecções virais para o feto converse com seu obstetra.

      Excluir
  2. oi Marcos Brito tive uma paralisia facial devido a herpes zoster que foi diagnosticada apenas 3 meses apos o surgimento nao melhorei 100% ainda mas a estetica nao me incomoda tanto quanto os sintomas que estou tendo 8 mese depois dela aparecer estou com formigamento nos membros superiores e inferiores muita tontura e a cabeça parece que fica juntando nao sei o que é ainda estou fazendo eletroestimulaçao sera que esses sintomas sao normais?? desde ja obrigadaaaa

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde Dr. Marcos

    Quem eu devo procurar para cuida e tratar minha mãe que sofre com dores do hespes zoster????

    Aguardo resposta

    Grato

    psergiobezerra2006@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. Tenho bursite trocantérica bilateral e estou com herpes zoster. A dor na região do quadril é insuportável e não para nem com remédio. O que faço? Luci Saloio (lucisaloio1961@gmail.com)

    ResponderExcluir
  5. Olá, tenho uma filha, 22 anos, que possui uma doença que não conseguimos diagnosticar. Ela tem dificuldade de marcha e não consegue caminhar com firmeza.

    Percebemos isso a partir de quando começou a andar, porque caminhava na ponta dos pés.

    Procuramos por uma quantidade imensa de médicos, inúmeros exames e, absolutamente todos com um uma única resposta: Não tem NADA!

    Há alguns poucos anos, durante uma consulta na AACD, o médico disse que precisaria fazer uma cirurgia, e rápido. Acreditando no profissional fizemos em menos de 30 dias a dita cirurgia para estender os tendões, assim ela poderia apoiar seu calcanhar, e por consequência caminhar com naturalidade.

    Nada disso aconteceu, e infelizmente ela piorou muito, além de que alguns médicos sugerem que isso arruinou ainda mais.

    Estivemos no GENOMA na USP, e durante um dos exames o médico constatou 2 pequenas alterações: corpo caloso espesso e orelhas de lince. Porém não se constatou a relação com as dificuldades que ela tem hoje.

    Pelo que estamos verificando, em menos de 3 / 4 anos ela já não terá mais condições de locomoção autônoma, apenas com alguma assistência, muletas ou cadeira de rodas.

    Alguns amigos comentaram conosco sobre a possibilidade de algum tipo de tratamento a base Células Tronco.

    É com este intuito que escrevo, pois não temos nenhuma informação a este respeito e então recorro a esta conceituada equipe, para que possam nos ajudar com algum tipo de informação e possamos iniciar nossas pequisas e conhecimentos a respeito.

    Não posso deixar que minha filha seja condenada a passar além de sua juventude, o resto de sua vida em uma cadeira de rodas, ela só tem 22 anos.

    Peço com muita humildade que nos auxilie da maneira como possam para que nós possamos buscar alternativas de tratamento.

    Nos colocamos a inteira disposição para informações e comentários que possa auxiliar o entendimento.


    Muito Obrigado,

    Ricardo / Vera Lúcia

    Fones: 11 - 3360-0592

    Cel: 11 - 94033-1110

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A descrição sugere um problema neurológico, as células tronco são procedimentos experimentais e devem ser usados com muita cautela e somente em casos de estudo. Sugiro avaliação com um neurologista ou um ortopedista que cuide de crianças para avaliar a espasticidade e o desequilíbrio que está presente desde a infância.

      Excluir
  6. Dr. Que especialidade médica devo consultar para saber se tenho zoster. Tenho uma manhã que forma bolhinhas bem pequenas e próximas arde já tem 2 anos que ela vai e voltam sempre no mesmo local. Estou suspeitando de herpes zoster. Não sabias dia sintomas desta doença. Mais já tive paralisia facial, estou fazendo tratamento com gastro a 2 anos e sinto muitas dores no quadril, fico as vezes imobilizada de andar, fiz um tratamento com um reumatologista mais não tive êxito
    Tenho 40 Anos. E possível q eu tenha zerar? Lenahair10@gmail.com

    ResponderExcluir
  7. Dr. Marcos bom dia! Meu pai está com HZ na parte esquerda do rosto e no olho. Já foi em um oftalmologista, mas as dores persistem, qual o profissional de saúde ele deve procurar para tentar melhorar estas dores? Neurologista?

    ResponderExcluir

ANTES DE POSTAR SEU COMENTÁRIO Leia SOBRE O BLOG

http://www.marcosbritto.com/p/blog-page.html

Somente os seguidores do Blog poderão postar comentários.
Não realizamos consultas pela internet!

Postagens mais lidas na última semana