Como surge a osteoporose ?

Como ocorre a substituição do osso velho pelo osso novo ?

O esqueleto adulto é continuamente remodelado; A remoção do osso existente é mediada pela reabsorção óssea osteoclástica e a substituição por osso novo é mediada pela formação óssea osteoblástica. 

Como é a remodelação ósseo durante o crescimento do indivíduo ?

Durante o crescimento do esqueleto, as taxas de formação excedem a reabsorção, resultando em ganho líquido de osso, osso fica cada vez mais forte. As taxas de reabsorção excedem a taxa de formação mais tarde após os 40 anos de idade, particularmente entre mulheres pós-menopáusicas deficientes em estrogênio e todos os indivíduos mais velhos. 

Como surge a osteoporose ?

A perda óssea prolongada leva à baixa densidade mineral óssea definida como Osteopenia e eventualmente, à osteoporose, definida como uma condição de fragilidade esquelética resultante de alguma combinação de perda óssea e / ou comprometimento da qualidade óssea. A osteoporose também é definida clinicamente como a Densitometria avaliada radiograficamente com uma perda maior que 2,5 DP abaixo da DMO observada em uma população adulta jovem e saudável (escore T ≤ − 2,5).

Como avaliamos a formação e a absorção do osso ?

Através dos marcadores do metabolismo de osso
Os produtos bioquímicos ou celulares produzidos durante o processo de reabsorção óssea e formação óssea são denominados marcadores de metabolismo óssea. Os marcadores específicos de reabsorção são tipicamente produtos de degradação do colágeno tipo 1 (N-telopeptídeo de colágeno tipo 1 (NTX) e C-telopeptídeo de colágeno tipo 1 (CTX), enquanto os marcadores específicos de formação incluem aqueles refletindo a síntese de colágeno tipo 1 (N pró-colágeno tipo-terminal propolídeo [PINP]), enzimas osteoblásticas (fosfatase alcalina específica óssea) ou a proteínas de matriz óssea: (osteocalcina). Entre os indivíduos que não recebem tratamento para osteoporose, as taxas de reabsorção e de formação estão intimamente ligadas e altamente correlacionadas 

Como interpretar os marcadores do metabolismo de osso ?

Em comparação com a densitometria óssea, que é estática e representa o ganho ou a perda líquida de massa óssea ao longo de anos a décadas, as medições desses marcadores é dinâmicas e refletem o metabolismo ósseo atual. Os marcadores do metabolismo ósseo podem ser medidos no sangue e na urina. Drogas e doenças ósseas ativas influenciam os marcadores do metabolismo ósseo mais rapidamente, normalmente dentro de 1 a 3 meses, o que é muito mais cedo do que os efeitos observados na Densitometria, que podem demoram anos para aparecer. Por exemplo, a maioria dos medicamentos anti-reabsortivos para osteoporose, incluindo os bisfosfonatos, esses medicamento  reduzem substancialmente as concentrações de reabsorção e formação dos marcadores do metabolismo de osso Por outro lado, os tratamentos de osteoporose formadores de osso, como a teriparatida, e algumas doenças do metabolismo esquelético, como o hipertireoidismo, aumentam tanto a reabsorção quanto as concentrações de marcadores do metabolismo de formação ósseo .

Fraturas de grandes ossos podem aumentar os níveis de marcadores do metabolismo ósseo por 6 a 12 meses. O tempo de coleta e o status em jejum também são importantes determinantes dos marcadores de reabsorção sérica, incluindo CTX. A maioria dos marcadores do metabolismo ósseo é falsamente aumentada pela insuficiência renal crônica (estágio 3-5), mas tanto a Fosfatase alcalina óssea  quanto os ensaios triméricos intactos de PINP permanecem válidos.

Os marcadores do metabolismo ósseo podem ser usados para monitorar o tratamento para osteoporose

Diante dos rápidos efeitos dos tratamentos para osteoporose o uso de mudanças seriadas nas marcadores do metabolismo ósseo para promover a adesão ao tratamento e identificar a não-adesão à medicação oral.  

Monitoramento no sangue após a descontinuação da medicação

Após 3 a 5 anos de terapia com bifosfonatos, a suspensão temporária ou permanente é comum na prática clínica, e alguns têm defendido o monitoramento no sangue dos marcadores do metabolismo  ósseo após a descontinuação para detectar níveis crescentes, 

Dr. Marcos Britto da Silva
Ortopedista, Traumatologia e Medicina do Esporte
Botafogo, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Atualizado em 11/09/2019

Comentários

Mais Lidos

Compressão do Nervo Ulnar no Cotovelo e Punho

Consolidação das Fraturas

Vitamina D Pura DePURA

Lesão Meniscal no Joelho

Cirurgia para tratamento da Fratura de Tornozelo

Frio ou Calor

Fratura de tíbia - Diafisaria

Cisto de Baker no Joelho

Entorse do Tornozelo

Bula do Addera D3

Minha foto
MARCOS BRITTO DA SILVA
Brazil
- Médico Ortopedista Especialista em Traumatologia e Medicina Esportiva - Chefe do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Pró-Cardíaco, - Professor Convidado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, - Membro Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte | SBMEE, Médico do HUCFF-UFRJ, - International Affiliate Member of the AAOS - American Academy of Orthopaedic Surgeons - Membro da Câmara Técnica de Ortopedia e Traumatologia do CREMERJ, - Especialista em Cirurgia do Membro Superior pela Clinique Juvenet - Paris, - Professor da pós Graduação em Medicina do Instituto Carlos Chagas, - Professor Coordenador da Liga de Ortopedia e Medicina Esportiva dos alunos de Medicina da UFRJ, - Membro Titular da SBOT - ( Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia), - Membro Titular da SBTO - ( Sociedade Brasileira de Trauma Ortopédico), - Mestre em Medicina pela Faculdade de Medicina da UFRJ - Internacional Member AO ALUMNI Association, - Internacional Member: The Fédération Internationale de Médecine du Sport,(FIMS)/International Federation of Sports Medicine (http://www.fims.org),