Postagens

Corticoide, osteoporose e fraturas

Os glicocorticóides causam significativa perda óssea, afetando predominantemente o osso trabecular, com consequentes fraturas por fragilidade óssea. O risco de fraturas está relacionado à dose e duração do uso dos corticoides, um risco aumentado pode ser observado mesmo em doses baixas e até no primeiro mês de tratamento. O médico deve prevenir ou tratar a osteoporose em todos os pacientes que tomam o equivalente à prednisona na dose de 2,5 mg ou mais por dia, durante 3 meses ou mais. PONTOS CHAVE A ferramenta de avaliação de risco à fratura (FRAX) inclui uma pergunta sim ou não sobre o uso de glicocorticóides, mas a fórmula é baseada em uma dose média e o escore FRAX deve ser ajustado para cima em pacientes em altas doses e para baixo em pacientes em doses mais baixas . Modificações no estilo de vida e otimização da ingestão de cálcio e vitamina D são recomendadas para todos os pacientes em terapia prolongada com glicocorticóides. Os bisfosfonatos são os medicamentos de primeira linha

Tratamento da Fratura de Clavícula Diafisária

Introdução A clavícula funciona como uma estrutura óssea que mantêm o comprimento do ombro, proporcionando estabilidade e um ponto de apoio para o movimento entre o membro superior e o tronco. As fraturas da clavícula são lesões frequentes e constituem aproximadamente 4% das fraturas no adulto e 35% das fraturas que ocorrem na cintura escapular.  3   ( B )   A incidência na população em geral é de cerca de 86 casos em homens e 44 casos em mulheres para cada 100.000 habitantes  3   ( B ). Aproximadamente 75%    das fraturas da clavícula acometem o terço médio da diáfise  4 .  ( B ) Para determinar o melhor tratamento e a evolução das fraturas do terço médio da diáfise da clavícula no adulto devemos incluir uma boa história clínica, um exame físico detalhado e o uso de scores de avaliação funcional com exemplo DASH  ( Disabilities of the arm Shoulder and Hand ) e Constant Shoulder Score (CSS). Durante esse estudo devemos fazer uma avaliação radiológica. As técnicas operatórias,

Dor na Região Anterior do Joelho

Imagem
A Condromalacia e Condropatia Patelar da rotula são patologias muito comum no Joelho. A condromalacia é um "amolecimento da cartilagem". A condromalacia ocorre por excesso de pressão entre a cartilagem da troclea femural e da cartilagem da rótula. A condropatia se refere a cartilagem doente. Essa patologia provoca dor na parte anterior do joelho. A rotula é o mesmo que patela? Sim, o nome rótula é o nome mais novo, publicado na última nomina anatómica, porém continuamos usando o nome patela, com por exemplo articulação patelo femoral, não usamos rotineiramente o nome articulação femuro rotuliana ou rotulo femoral. A condromalacia rotuliana é mais frequente nas mulheres? Sim , a mulher tem uma maior a desgaste da cartilagem do Patela devido ao alinhamento dos membros inferiores, a mulher tem uma inclinação um pouco maior do ângulo do joelho (geno valgo) e tem piores hábitos posturais para sentar. Como surge a condromalacia? A condromalacia rotuliana é uma

Sinovite

Imagem
O que é o líquido sinovial?  O liquido sinovial é produzido pelas células sinoviais. A sinóvia recobre internamente a articulação e regula a produção e absorção do líquido sinovial . Quando o tecido sinovial inflama surge a sinovite. O que é a sinovite? A sinovite é a produção excessiva de liquido sinovial causado por uma irritação do tecido sinovial, a articulação se enche de liquido e comumente o paciente se refere a essa patologia como se a articulação estivesse cheia de agua: exemplo " Dr. estou com agua no joelho " . O que é água no Joelho ? Agua no joelho é sinónimo de sinovite, a sinovite é muito frequente no joelho, porém pacientes com doença reumática pode presentar sinovite em várias articulações.  Quais articulações podem ser acometidas pela sinovite? A sinovite pode acometer as pequenas articulações da mão, punho, cotovelo, ombro, quadril, joelho, tornozelo e pé. essas articulações podem apresentar sinovite se origem traumática ou inflamatória. O que p

Lesão Meniscal no Joelho

Imagem
O joelho é a maior  articulação do corpo e uma das mais vulneráveis a lesões. As lesões meniscais são extremamente comuns no joelho. Com um bom diagnóstico, tratamento e reabilitação, os pacientes freqüentemente retornam as atividades anteriores a lesão meniscal.   Lesão do menisco (menisco Interno e menisco externo)    Anatomia do joelho - Menisco  Descrição da lesão meniscal  Causas da lesão do menisco  Sintomas da rutura do menisco  Exame Médico do joelho com lesão meniscal  Lesão Meniscal Grau I, II e III  Tratamento da lesão meniscal   A lesão do menisco é uma lesão frequente? Sim, as roturas meniscais estão entre as lesões de joelho mais comuns. Os atletas, particularmente aqueles que praticam esportes de contato, estão em risco de rupturas meniscais. No entanto, qualquer pessoa em qualquer idade pode lesar um menisco. Quando as pessoas falam de uma lesão na cartilagem no joelho, elas estão geralmente se referindo a um rompimento do menisco.  Qual a lesão de m

Postagens mais visitadas deste blog

Quanto Custa Uma Cirurgia?

Compressão do Nervo Ulnar no Cotovelo e Punho

Entorse do Tornozelo

Fratura de tíbia - Diafisaria

Fratura do Antebraço

Consolidação das Fraturas

Minha foto
MARCOS BRITTO DA SILVA
Brazil
- Médico Ortopedista Especialista em Traumatologia e Medicina Esportiva - Chefe do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Pró-Cardíaco, - Professor Convidado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, - Membro Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte | SBMEE, Médico do HUCFF-UFRJ, - International Affiliate Member of the AAOS - American Academy of Orthopaedic Surgeons - Membro da Câmara Técnica de Ortopedia e Traumatologia do CREMERJ, - Especialista em Cirurgia do Membro Superior pela Clinique Juvenet - Paris, - Professor da pós Graduação em Medicina do Instituto Carlos Chagas, - Professor Coordenador da Liga de Ortopedia e Medicina Esportiva dos alunos de Medicina da UFRJ, - Membro Titular da SBOT - ( Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia), - Membro Titular da SBTO - ( Sociedade Brasileira de Trauma Ortopédico), - Mestre em Medicina pela Faculdade de Medicina da UFRJ - Internacional Member AO ALUMNI Association, - Internacional Member: The Fédération Internationale de Médecine du Sport,(FIMS)/International Federation of Sports Medicine (http://www.fims.org),