Dr. Marcos Britto da Silva - Ortopedista,Traumatologia e Medicina Esportiva: Fratura Diafisária de Clavícula

Fratura Diafisária de Clavícula

Introdução
A clavícula funciona como uma estrutura óssea que mantêm o comprimento do ombro, proporcionando estabilidade e um ponto de apoio para o movimento entre o membro superior e o tronco.
As fraturas da clavícula são lesões frequentes e constituem aproximadamente 4% das fraturas no adulto e 35% das fraturas que ocorrem na cintura escapular. 3 ( B )  A incidência na população em geral é de cerca de 86 casos em homens e 44 casos em mulheres para cada 100.000 habitantes 3 ( B ). Aproximadamente 75%  das fraturas da clavícula acometem o terço médio da diáfise 4. ( B )
Para determinar o melhor tratamento e a evolução das fraturas do terço médio da diáfise da clavícula no adulto devemos incluir uma boa história clínica, um exame físico detalhado e o uso de scores de avaliação funcional com exemplo DASH  ( Disabilities of the arm Shoulder and Hand ) e Constant Shoulder Score (CSS). Durante esse estudo devemos fazer uma avaliação radiológica.
As técnicas operatórias, até a década de 1970, empregadas para tratamento das fraturas da clavícula eram geralmente pinos intramedulares, associados a amarração com fios de aço ao redor do osso. Esses tratamentos eram associados a uma grande desvitalização das partes moles e, consequentemente, maus resultados. ( D )  Na década de 1960 Neer e Rowe relataram o resultados do tratamento não operatório das fraturas de 2235 pacientes e 566 pacientes respectivamente. Esses autores encontraram somente 7 casos de pseudartrose nesse grupo de pacientes tratados não operatoriamente. 11 (A)
As fraturas do terço médio da clavícula são tidas como fraturas de tratamento emimentemente não operatório com restauração completa da função na grande maioria dos casos, porém, esse é um conceito amplamente difundido que deve ser questionado a luz dos trabalhos científicos publicados nos últimos anos. 1  ( A )  6 ( A )  11 (A)

  1. Quais as indicações para tratamento cirúrgico da diáfise da clavícula?
Resposta:  Classicamente, as fraturas diafisárias do terço médio da clavícula no adulto apresentam indicações cirúrgicas absolutas e relativas. As indicações absolutas são: fraturas expostas, fraturas associadas a lesões de pele na região da clavícula e fraturas associadas a lesão vascular e/ou neurológica na região que requeiram reparo.
As indicações relativas são: encurtamento maior que 2 cm, grande afastamento dos fragmentos, fraturas bilaterais, cominutivas, fraturas em pacientes mais velhos, pacientes internados em unidades de terapia intensiva com lesões torácicas, ombro flutuante e pseudartrose. 9 (D) Essas indicações cirúrgicas estão sendo revistas quando levamos em consideração os resultados funcionais dos trabalhos com maior significância estatística publicados nos últimos anos. 11 (A) 6 ( A )  1 (A)

  1. QUAL DEVE SER O POSICIONAMENTO DAS PLACAS NA FRATURA DIAFISÁRIA DO CLAVÍCULA?
Nas fraturas diafisárias da clavícula que não apresentam cominução ou defeito na cortical inferior, a colocação da placa na face superior, produziu maior estabilidade em comparação com as placas colocadas na cortical anterior, valor de P = 0,008. 14  ( A ) Nas fraturas diafisárias da clavícula que apresentam cominução ou defeito na cortical inferior as placas colocadas na cortical anterior se mostraram mais eficientes que as placas colocadas na cortical superior e produziram maior estabilidade com P = 0.025. 14  ( A )

  1. Como deve ser feito o tratamento não operatório da fratura diafisária do terço médio da clavícula no adulto?
Um aspecto importante do tratamento das fraturas do terço médio da clavícula é certificar-se de que a fratura não apresenta desvio ou é minimamente desviada. Isso pode ser observado realizando uma radiografia com o paciente em pé com o membro superior afetado ao longo do corpo e sob a ação da musculatura e da gravidade. 10 (C). Isso permitirá avaliar parcialmente o desvio do fragmento lateral que sofre uma ação grande da gravidade. 8 porém devido a combinação de deformidades axial, rotacional e longitudinal a tomografia computadorizada poderá avaliar melhor essa deformidade.  18 ( C )
Nas fraturas fechadas com fragmentos não desviados ou pouco desviados o tratamento pode ser com tipóia tipo Velpeau ou uma tipóia por seis semanas e o uso em geral é descontinuado com o desaparecimento da dor no local das fratura. 11 (A) Não há nenhuma evidência clínica que suporte o uso de imobilizadores que sejam capazes de manter a redução das fraturas de clavícula.  19 ( B )

  1. Qual a relação entre o encurtamento da clavícula e os resultados clínicos do tratamento não operatório?
Resposta: A relação entre o encurtamento da clavícula e o resultado clínico final foi avaliada num estudo longitudinal de longo prazo. Aproximadamente um em cada quatro pacientes com fratura diafisária do terço médio da clavícula no adulto tratados não operatoriamente apresentaram resultados insatisfatórios avaliados pelo Constant Score. 10 (A) Os resultados insatisfatórios estavam relacionados ao encurtamento da clavícula. Pacientes do sexo masculino adultos com encurtamento maior que 18 mm e mulheres adultas com o encurtamento maior que 14 mm apresentaram piores resultados. 10  ( A ). Porém esses autores não conseguiram correlacionar o encurtamento inicial da fratura e o encurtamento final. Contrario a esses achados Novak 1 ( A ) não conseguiu correlacionar o encurtamento da clavícula com resultados insatisfatórios.

  1. Quais as principais complicações do tratamento não operatório da fratura diafisária da clavícula?
Resposta: . As complicações mais frequentes incluem pseudartrose e consolidações viciosas com sintomática ou não. 11 (A)  Encurtamento da fratura,  diminuição da função, dor no ombro e no local da fratura e mudança no posicionamento da clavícula. 22 ( B )

  1. Quais as principais complicações do tratamento operatório da fratura diafisária da clavícula?
Resposta: As complicações mais frequentes no tratamento operatório das fraturas diafisárias da clavícula estão relacionadas com o implante colocado para fixar a fratura. 11 (A)  . As complicações encontradas são deiscência da ferida operatória, infecção, pseudartrose e retardo de consolidação, falência do material de síntese  e irritação local devido a superficialidade do implante. 11 (A), Lesões neurológica e/ou vascular. Podem surgir também dor no local da fratura ou da incisão na pele, dor complexa regional e também nas atividades que necessitem o uso das mãos acima do nível dos ombros.  Na comparação com o tratamento pós operatório a incidência de complicações e maus resultados foram inferiores no grupo de pacientes tratados operatoriamente. 11 (A)

  1. Como deve ser avaliada radiologicamente a fratura diafisária do terço médio da clavícula no adulto.
Resposta: A fratura diafisária do terço médio da clavícula no adulto deve ser avaliada com no mínimo duas incidências radiográficas.  Não encontramos consenso na literatura em relação a melhores incidências para a avaliação da fratura diafisária da clavícula. As principais sugestões são: radiografia em Antero-Posterior simples e Antero-Posterior com raio à 45o cefálico, radiografias perpendiculares a primeira Antero-Posterior com raio à 45 graus cefálico e a segunda à 45 graus caudal. 7 ( C ). Alguns autores sugerem o uso da incidência de PosteroAnterior com raio à 15 caudal para minimizar o efeito de ampliação causado pelo afastamento da clavícula do chassi de raios X. 8 ( C ) O encurtamento da clavícula deve ser avaliado com uma radiografia em Posterior Antero com as duas clavículas no mesmo chassi 10 ( C )

  1. Qual o risco de pseudartrose nas fraturas de clavícula tratadas não operatoriamente?
Resposta: A incidência de pseudartrose nas fraturas diafisárias de clavícula cominutivas e com afastamento dos fragmentos ocorreu em 21% dos casos de Robinson, que tratou 868 fraturas de clavícula consecutivas, sendo 581 fraturas diafisárias. 15 (B) Hill e col. Encontraram resultados insatisfatórios nas fraturas diafisárias de clavícula quando havia um encurtamento maior que 2 cm. 16 (C) . Numa recente meta-análise envolvendo 2144 pacientes a taxa de pseudartrose nas fraturas tratadas não operatoriamente foi de 15,1% contra 2,2% nos pacientes tratados com placa, houve uma redução do risco relativo de 86% de pseudartose com o uso de osteossíntese com placa. 17 (A).

  1. Quais os fatores clínicos e radiológicos que determinam a evolução nas fraturas de clavícula?
Resposta: Nowak et al. 2  ( A ) acompanharam prospectivamente 245 pacientes com fratura diafisária clavícula tratados não operatoriamente, maiores que 15 anos de idade, durante 12 anos. Todos os pacientes foram avaliados clínica e radiologicamente com 11 à 12 anos de evolução. Os autores relataram que somente 54% dos pacientes recuperaram completamente a função ao passo que 46% apresentavam algum tipo de seqüela. A pseudartrose ocorreu em 7% dos casos. Determinaram que o fator preditivo mais importante para o surgimento de seqüelas é a falta de contato ósseo entre os fragmentos da fratura, mais velhos ( não informaram a partir de qual idade os pacientes foram considerados mais velhos ) ou com fratura cominutiva que apresentasse um fragmento transverso ( girado 90 graus em relação ao longo eixo da clavícula ). Não houve diferença de resultados em relação ao sexo. Nesse trabalho o encurtamento e a localização da fratura não foram fatores preditivos para  seqüela a não ser deformidade cosmética. 2  ( A )  Os autores concluíram que pacientes com fatores preditivos de aumento de risco para desenvolver seqüelas, tais com pacientes mais velhos  com fraturas cominutivas, sem contato ósseo ou com fragmento transverso devem ser tratados cirurgicamente. 2  ( A )

  1.    Qual o melhor tratamento para as fraturas diafisárias da clavícula em   
         Atletas operatório ou não operatório?
Resposta: o uso de haste intramedular apresentou melhores resultados clínicos com menor incidência de dor entre os pacientes tratados com haste intramedular quando comparados com os pacientes tratados com imobilização tipo oito com p < 0,05%. 12 ( B) A avaliação da força no membro superior 120 dias após a fratura foi superior no grupo tratado com haste intramedular em comparação com o grupo tratado com imobilização tipo oito com P < 0,01%. Os autores concluíram que o tratamento com haste intramedular nas fraturas diafisárias de clavícula é superior para o tratamento em atletas . 12 ( B) Não encontramos na literatura trabalhos avaliando o uso de placas e parafusos em atletas

  1. Qual o melhor meio de fixação de fraturas diafisárias da clavícula em pacientes maiores que 50 anos
Resposta. O resultado clínico dos pacientes tratados com haste intramedular tipo pinos de Knowles e placas é semelhante após 30 meses de acompanhamento clínico.13(B). O tratamento com pinos de Knowles apresentaram menor tempo operatório P<0,001, menor cicatriz cirúrgica P< 0,001, menor tempo de internação p = 0,04 %, menor uso de anagésicos P = 0,02 e menor sintomas provocados pela material de sintese p=0,015 e concluiram que a haste intramedular apresenta resultados superiores a quando comparado a placa.13 (B). O uso de hastes intramedulares em geral requer uma maior curva de aprendizagem e o uso de hastes intramedulares deve ser sempre precedida por um treinamento criterioso.

  1. Qual o melhor tratamento para as fraturas diafisárias da clavícula operatório ou não operatório?
Resposta. Resultados recentes tem mostrado uma alta prevalência de pseudartrose e falhas de consolidação em pacientes com fratura diafisária de clavícula tratados não operatoriamente. 11 ( A )  Esses resultados tem ressaltado a importância de reconsiderar o tratamento operatório da fratura de clavícula. Em 2007 a Associação Canadense de Trauma Ortopédico realizou um trabalho multicêntrico randomizado, duplo cego com 132 pacientes comparando o resultado do tratamento operatório, utilizando uma osteossíntese com placa e parafusos, e o tratamento não operatório usando tipóia. 11 ( A )   O pacientes foram submetidos a avaliação clinica, Constant Score, DASH Score e avaliação radiográfica após um ano de pós operatório. O Constant Score e Dash Score foram superiores no grupo tratado operatoriamente com P=0.001 e P < 0,01 respectivamente. O tempo de consolidação foi de 28,4 semanas no grupo tratado com tipóia e 16,4 semanas no grupo tratado com placa p=0,001. A taxa de pseudartrose foi três vezes maior no grupo tratado não operatoriamente com p= 0,042. 11 ( A )  Ocorreu consolidação viciosa em aproximadamente 20% dos pacientes tratados com tipóia e nenhuma no grupo tratado com fixação com placa. Com um ano de pós operatório os pacientes tratados operatoriamente estavam mais satisfeitos com a aparência do ombro p=0,001 e com o ombro em geral p=0,002 em comparação com o grupo tratado com tipóia. 11 (A) . Esses resultados sugerem fortemente o tratamento cirúrgico das fraturas de clavícula porém devem ser olhados com precaução, lembrando que foram conseguidos em centros médicos de excelência por cirurgiões experientes. A maioria dos ortopedistas no Brasil realizou treinamento em centro que muitas vezes nunca realizaram uma osteossíntese de fratura diafisária de clavícula e portanto são pouco familiarizados com a anatomia local. O tratamento cirúrgico das fraturas diafisárias de clavícula requer cuidados redobrados devido as características anatômicas da região que tem pouca cobertura de partes moles  o que provoca frequentemente a insinuação do material de síntese sob a pele além do cuidado durante a colocação dos parafusos bicorticais pois a broca pode causar lesão nas estruturas vásculo nervosas que apresentam intima relação com essa região da clavícula, sugerimos o uso rotineiro de brocas com sistema de stop que deve ser regulado previamente a broqueamento.
O tratamento não operatório da fratura do terço médio da diáfise da clavícula no adulto deve ser considerada a primeira opção nas fraturas simples com pouco ou sem desvio. O tratamento operatório deve ser considerado nos demais casos quando os cirurgiões estejam familiarizados com a anatomia da região e disponham de equipamentos e materiais adequados para a realização da osteossíntese.

  1. Qual a explicação para resultados clínicos tão dispares entre os resultados da década de, que indicavam que o tratamento não operatório era superior ao tratamento operatório, e os resultados clínicos atuais que sugerem ser o tratamento cirúrgico superior ao não operatório ?
Resposta: podemos citar várias hipóteses para explicar essas diferenças: os restados dos trabalhos publicados na década de 1960 incluíam crianças que possuem capacidade de consolidação e remodelação própria e isso pode ter esses achados podem ter melhorado os resultados artificialmente. 20 (D) Houve uma mudança na avaliação entre dos resultados clínicos nos últimos 40 anos: na década de 1960 os resultados clínicos eram baseados principalmente nos taxas de consolidação radiológica e os escores de avaliação clínica e funcional que avaliavam o grau de satisfação dos pacientes não eram usados rotineiramente. 21 (B) Nas ultimas décadas ocorreu uma mudança na expectativa dos pacientes em relação aos resultados das fraturas sendo que os pacientes atuais tem um grau de exigência muito maior em relação aos resultados funcionais e da resolução rápida da dor . 11 (A) Pode estar havendo uma mudança no padrão das fraturas com uma maior participação de pacientes politraumatizados e com fraturas mais graves causadas por traumas de maior energia. 17 (A) Ocorreu também nas últimas décadas uma popularização das técnicas operatórias com diminuição da lesão de partes moles, profilaxia antibiótica, melhora dos implantes e a fixação das placas melhorou e apresenta resultados reprodutíveis mais constantes. 11 (A)  

Referencias:
  1. Jan Nowak, Margareta Holgersson and Sune Larsson Can we predict long-term sequelae after fractures of the clavicle based on initial findings? A prospective study with nine to ten years of follow-up., J Shoulder Elbow Surg 2004;13: 479–486.
  2. Nordqvist A, Petersson CJ. Incidence and causes of shoulder  girdle injuries in an urban population. J Shoulder Elbow Surg  1995:4:107-12.
  3. Nordqvist A, Petersson C. The incidence of fractures of the clavicle. Clin Orthop 1994:300: 127-32.
  4. Robinson CM. Fractures of the clavicle in the adult: Epidemiology and classification. J Bone Joint Surg [Br] 1998;80-B(3):476—84.
  5. Mogens B. taursen, and Kai V. Dassing, J Clavicular nonunions treated with compression plate fixation and cancellous bone grafting: The functional outcome J Shoulder Elbow Surg 1999;8:410-413.
  6. Edelson, J. Gordon, The bony anatomy of clavicular malunions J Shoulder Elbow Surg 2003;12:173-8
  7. Quesana F. Technique for the roentgen diagnosis of fractures of the clavicle. Surg Gynaecol Obstet 1926;42:4261-81
  8. Jeremy R. P. Sharr, and Khalid D. Mohammed, Optimizing the radiographic technique in clavicular fractures J Shoulder Elbow Surg 2003;12:170-2
  9. B.D. Coupe, J.A. Wimhurst, R. Indar, D.A. Calder, A.D. Patel. A new approach for plate fixation of midshaft clavicular fractures, Injury, Int. J. Care Injured (2005) 36, 1166—1171

  1. Stefanos Lazarides, and George Zafiropoulos,  MPhil, Merthyr Tydfil, Conservative treatment of fractures at the middle third of the clavicle: The relevance of shortening and clinical outcome J Shoulder Elbow Surg 2006;15:191-194
  2. Canadian Orthopaedic Trauma Society. Nonoperative treatment compared with plate fixation of displaced midshaft clavicular fractures the journal of bone & joint surgery · jbjs.org volume 89-a number 1 · january 2007
  3. Witzel K. Intramedullary osteosynthesis in fractures of the mid-third of the clavicle in sports traumatology, Z Orthop Unfall. 2007 Sep-Oct;145(5):639-42
  4. Lee YS, Lin CC, Huang CR, Chen CN, Liao WY.Operative treatment of midclavicular fractures in 62 elderly patients: knowles pin versus plate. Orthopedics. 2007 Nov;30(11):959-64
  5. T Harnroongroj MD, V Vanadurongwan MD Biomecamical aspect of plating asteosyntheis of transverse clavicular fracture with and without inferior cortical defect  Vol. 11, No. 5, 290-294, 1996 Clin. Biomech
  6. Robinson CM, Court-Brown CM, McQueen MM, Wakefield AE. Estimating the risk of nonunion following nonoperative treatment of a clavicular fracture. J Bone Joint Surg Am. 2004;86:1359-65
16. Hill JM, McGuire MH, Crosby LA. Closed treatment of displaced middle-third fractures of the clavicle gives poor results. J Bone Joint Surg Br. 1997;79: 537-9
17. Zlowodzki M, Zelle BA, Cole PA, Jeray K, McKee MD; Evidence-Based Ortho-paedic Trauma Working Group. Treatment of midshaft clavicle fractures: systemic review of 2144 fractures: on behalf of the Evidence-Based Orthopaedic Trauma Working Group. J Orthop Trauma. 2005;19:504-7.27.
18. Bostman O, Manninen M, Pihlajamaki H (1997) Complications of plate fixation in fresh displaced midclavicular fractures. J Trauma 43:778–783
19. Andersen K, Jensen PO, Lauritzen J. Treatment of clavicular fractures. Figure-of-eight bandage versus a simple sling. Acta Orthop Scand. 1987;58:71-4. 
20. Neer CS 2nd. Nonunion of the clavicle. JAMA. 1960;172:1006-11
21. Nordqvist A, Petersson CJ, Redlund-Johnell I. Mid-clavicle fractures in adults: end result study after conservative treatment. J Orthop Trauma. 1998;12:572-6
22. Jonas Andermahr,  Axel Jubel,  Andreas Elsner, Axel Prokop, Prokopios Tsikaras, Jesse Jupiter, Juergen Koebke Malunion of the clavicle causes significant glenoid malposition: a quantitative anatomic investigationSurg Radiol Anat (2006) 28:447–456

Escrevi esse artigo para o projeto diretrizes da SBOT-AMB em 2008 em Parceria com o Dr. Helio Barroso esse artigo foi publicado no Setimo livro do Projeto Diretrizes da AMB.

Dr. Marcos Britto da Silva
Ortopedista, Traumatologista e Médico do Esporte
Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Atualizado em 29/03/2011

23 comentários:

  1. Dr. Marcos
    Tive uma fratura da clavícula, vou precisar operar?
    Rafael, 23 anos, Valinhos, SP

    ResponderExcluir
  2. Rafael
    Para dar uma opinião no seu caso precisaria examiná-lo e ver seus exames. As frauturas de clavícula eram tratadas quase que exclusivamente com imobilização, porém hoje sabemos que várias fratura evoluem melhor com cirurgia, procure um ortopedista e faça uma avaliação.

    ResponderExcluir
  3. Dr. Marcos

    Tive uma lac grau 3 e um grande afastamento da cravicula, e os médicos optaram por uso da tipoia, no entanto a elevação do ombro esta muito acima do normal, não seria melhor o procedimento cirúrgico?

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. DR. Marcos
    Tive fratura de clavícula, com 42 dias ainda não havia consolidado. O médico disse para voltar com outro Raio X quando completar 90 dias.
    Fratura de clavícula pode demorar tanto tempo assim? 90 dias, para consolidar?
    Obs. Ainda sinto dores no ombro e braço e estou usando imobilizador até hoje, apesar de o médico dizer que não precisa mais usar.

    ResponderExcluir
  8. Dr. Marcos Britto

    Boa tarde

    Meu nome é Antonio Carlos da Silva,sou morador na cidade de Campinas em São Paulo, sofri um acidente de moto em 22 de dezembro de 2008 ocasionando fratura de 1/3 proximal de clavícula esquerda, sendo submetido inicialmente ao método de imobilização por tipóia 8, passaram-se 3 meses e aparentemente a clavícula foi consolidada, porém, após começar com com tratamento de fisioterapia começei a sentir forte dor na regiao da clavícula, retornei ao ortopedista equipe de cirurgia do ombro da Unicamp Campinas, SP onde foi constatada a soltura da clavícula isso ocorrido no mes de abril de 2009 no entanto fiquei um longo período com o caso agravando-se até a 1º cirurgia em 19 de dezembro de 2010 com colocação de placa e pino, novamente resultado insatisfatório e constatada não consolidação por pseudoartrose, submetido a nova cirurgia em 13 de junho de 2011 com colocação de uma placa maior e parafusos, até o mês de outubro não havia indícios de calsificação e em dezembro de 2011 finalmente consolidada, contudo nesses 3 anos de tratamento não houve um dia sem dores, e após a cirurgia comecei tratamento fisioterapeutico onde vou entrar no 4º mês e sem resultados positivos e constatado pelos médicos capsolite adesiva onde mesmo fazendo fisioterapia não deixo de sentir dores e também não consigo levantar o braço acima de 45º graus, são 3 anos que não durmo por causa das dores que sinto em toda cintura escapular e com creptações na mesma área, sinto ardencia e dores na região da clavícula constantemente, já fui submentido a 6 bloqueios de nervo e sem resultados, estou impossibilitado de voltar ao trabalho desde o acidente e hoje mesmo com relatórios médicos onde relatam o meu estado sem previsão de alta, o médico pericial do inss nega a continuação do benefício, os meus médicos me disseram que não poderiam entrar com outra intervenção cirúrgica pois não sabem se o caso poderá melhorar ou até mesmo piorar, meus médicos mandaram eu continuar com a fisioterapia até abril onde vão fazer uma avaliação do meu caso, Dr., busco uma outra opinião e orientações sobre o meu caso se o dr. puder opinar em pró a minha recuperação fico muito grato, muito obrigao Dr. Marcos Britto

    ResponderExcluir
  9. Caso tenha oportunidade de vir ao Rio de Janeiro poderei examiná-lo e emitir minha opinião.

    ResponderExcluir
  10. Bom dia dr, a um 45 dias tive fratura de clavícula e estou usando a tipoia, voltei ao medico para consulta de rotina pra ver como estava a consolidação do osso e foi constatado que o meu osso ao invés de colar ele esta se afastando um do outro e tbm sinto muita dor ainda, e que se continuar assim vou ter que fazer cirurgia,é possível que isso aconteça mesmo estando em repouso, e ultima opção é mesmo a cirurgia?

    ResponderExcluir
  11. Tenho uma fratura na clavicula que já tem 3 anos, pois na época da fratura os médicos estavam em operar e não operar, não operaram pensando que ia consolidar e não consolidou do contrário afastou. Agora um médico diz que tenho que fazer enxerto osseo na clavícula e outro diz que não que não irá resolver e que não irá consolidar com a cirurgia e é para fazer musculação para fortalecer os músculos. Mas está distante um fragmento do outro mais de 1 cm. O que eu faço, qual médico eu escuto. Nos exames fala o seguinte: "Alargamento da distância articular acrômio-clavicular com fragmentação da extremidade distal da clavícula sugerindo pseudoartrose. Correlatar clínica." "Alargamento da distância articular acrômio-clavicular;
    Presença de fragmento ósseo interposto entre o interespaço articular (pseudoartrose?). Correlata clínica."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você deve procurar um médico Ortopedista

      Excluir
    2. Sim, foi o que fiz e um Ortopedista diz para operar e o outro manda fazer musculação.

      Excluir
    3. Na medicina , alias como em tudo na vida, devemos fazer aquilo que acreditamos ser o melhor.

      Excluir
  12. Boa noite Dr. Marcos,

    Na última quarta-feira sofri um acidente de moto e como caí de ombro no asfalto, fraturei a clavícula esquerda. Fui atendido no pronto socorro aqui da cidade de Rio das Ostras. O ortopedista me enfaixou imobilizando meu braço esquerdo junto ao peito. Como fiquei com medo de esse procedimento estar indevido, fui para o Hospital da UNIMED em Macaé, me consultei com outro ortopedista e ele usou o Velpeau tracionando meus ombros para traz. Continuo preocupado, e temo haver a necessidade de um cirurgia. Gostaria de saber se poderia fazer uma análise nas minhas radiografias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vindo a consulta e trazendo as radiografias poderei dar minha opinião.

      Excluir
    2. Já procurei um ortopedista por aqui mesmo, obrigado. Seria muito cansativo a viajem. Vou proceder com a cirurgia. Poderia me informar como é o tratamento pós operatório? Como é feita a imobilização logo após a cirurgia e por quanto tempo?

      Excluir
    3. A IMOBILIZAÇÃO DEPENDE DO TIPO DE SÍNTESE E DA QUALIDADE DA FIXAÇÃO QUE É DEPENDENTE DA QUALIDADE ÓSSEA, RESUMINDO VOCÊ VAI PRECISAR CONVERSAR COM SEU ORTOPEDISTA

      Excluir
  13. Boa noite Dr. Marcos Britto da Silva, bom, devido a um acidente motociclístico, tive uma fratura na clavícula esquerda, que ficou estilhaçada. Após 4 cirurgias com enxerto ósseo e tudo, ainda ficou com uma diferença de 30mm se comparada à outra clavícula. Existe possibilidade de fazer o alongamento da clavícula operada, estou notando muita diferença, ainda mais pelo fato que minha vida era malhar. Att,.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, existem cirurgias que podem fazer o alongamento ósseo, para saber se poderia ser realizada no seu caso precisaria examiná-lo.

      Excluir
  14. Athos 19 de fevereiro de 2014
    Dr. Marcos Brito da Silva, fraturei a clavícula e fiz a primeira cirurgia em setembro de 2013 e foi colocado uma placa com oito parafusos. Após 30 dias comecei a fisioterapia e na sexta seção o osso descolou e a placa levantou. Fiz a segunda cirurgia em novembro de 2013 e foi feito um enxerto com osso retirado do osso da minha bacia. Agora depois de 90 dias após fazer o último raio X foi observado que não nenhuma consolidação no enxerto e a plana já levantou novamente. Fiz o exame de sangue para ver se há alguma infecção ~e o resultado foi negativo. Meu ortopedista é especializado em cirurgia de ombro não me disse nada do que deve ser feito. Gostaria de sua opinião se tem algum recurso a ser feito para que o meu osso consolide. pois estou muito preocupado com esta situação. Estou sem trabalhar desde 16 de setembro quando cai da bicicleta e quebrei a clavícula. Att, athios

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. NO seu caso deve ser avaliado porque a placa não está se fixando ao osso, osteoporose? foi usada placa bloqueada? Como esta a qualidade óssea? etc. para determinar os próximos passos de tratamento precisaria examiná-la e ver exames antigos e atuais para entender o que está ocorrendo.

      Excluir

ANTES DE POSTAR SEU COMENTÁRIO Leia SOBRE O BLOG Somente os seguidores do Blog poderão postar comentários. Se seu perfil no google não registrar seu email, escreva o email no corpo do comentário. Se você já migrou para o Google Plus você deve estar seguindo a página do blog no google+
Não realizamos consultas pela internet!

Últimas Artigos Revisados ou Publicados

Vídeos com Aulas e entrevistas com Dr. Marcos Britto da Silva

Loading...

Video Artroscopia de Joelho - Meniscectomia

Video Luxação Acromio Clavicular no Ombro

Video de Reconstrução do LCA

Arquivo do blog