Tendinite Calcárea 2

Como foi a descoberta da tendinite calcárea?
Duplay 1872 - descreveu a patologia
Painter 1907 - imagens radiológicas - calcificação na bursa.
Codman 1909 - achados cirúrgicos, calcificação abaixo da bursa -
dentro do tendão classificou como uma doença degenerativa
Wrede 1912 - descreveu a histologia da calcificação no tendão

Qual a Incidência de tendinite calcárea?
Boswort 1941 - realizou exame de RX nos 2 ombros de 6061 funcionários de escritório
todos assintomáticos
2,7% de incidência em assintomáticos.
6,8% em pacientes sintomáticos *.
19,8% na faixa etária 31 a 40 anos *.
* Welfling et alli, Rev. Rheum. 325-334, 1965.
Qual a localização das calcificações?
Qualquer tendão do manguito rotador pode ser acometido.
Supraespinhoso é o mais acometido (50 a 80% dos casos)
Idade: 4 década nas mulheres e 5 década nos homens (discreta incidência maior em mulheres )

Qual a classificação em relação ao tamanho da calcificação?
Tamanho: < 5 mm

5 a 15 mm.
> 15 mm em geral são muito sintomáticas.
( Formas difusas são mais difíceis de tratar e mais demoradas na resolução dos sintomas )
Qual a classificação em relação a duração dos Sintomas?
Uhthoff
Agudo 1-2 semanas
Sub Agudo 3-8 semanas
Crônico acima de 8 semanas.
Quais os sintomas da Tendinite calcárea?
Irradiação da dor comumente para o braço, raro para o pescoço.
Diminuição do movimento do ombro
Não consegue dormir sobre o lado afetado
Piora da dor à noite.
Fase aguda = dor excruciante
Demais fases = dor moderada.
 Impacto por aumento relativo da espessura do tendão (+)*
 Bursite química pelo cristais de cálcio. (++)*
 Reabsorção dos depósitos de cálcio (+++)*
* o número (+) indica a Intensidade da dor
Qual a Patogênese da tendinite calcárea?
Codman: teoria vascular - calcificação mais comum na zona crítica (Doença degenerativa)
Meyer: Degeneração, necrose e calcificação
Uhthoff - Calcificação em ambiente viável.
 Pré calcificação
 Fase Calcificação: Formação e Reabsorção
 Pós absorção
Como é feito o Diagnóstico?
Rx simples
Depósitos de cálcio intratendinosos não contínuos com a cabeça do úmero.
Diagnostico diferencial com calcificações pequenas na região do grande tuberosidade que estão relacionadas com osteoartrose e doença degenerativa
Qual o melhor Tratamento?
 Terapia não operatória em 90% dos casos.
 AINE, termo-terapia, físio analgésica, etc.
 Terapia por Ondas de Choque (TOC)
 Punção e lavagem
 Cirurgia Aberta ou Artroscópica
Qual o tratamento na fase de formação da calcificação?
 Tratamento em geral não operatório
 Cirurgia é exceção nessa fase.

Em quais casos está Indicado cirurgia?
 Progressão dos Sintomas.
 Dor constante que interferem nas atividades diárias.
 Ausência de melhora com medidas não operatórias.


Leia mais no outro artigo sobre tendinite calcária ( basta clicar sobre a palavra)


Dr. Marcos Britto da Silva
Ortopedia Traumatologia e Medicina do Esporte
Botafogo, Rio de janeiro, RJ, Brasil
atualizado em 20/01/2012.

Comentários

Mais Lidos

Compressão do Nervo Ulnar no Cotovelo e Punho

Consolidação das Fraturas

Vitamina D Pura DePURA

Lesão Meniscal no Joelho

Cirurgia para tratamento da Fratura de Tornozelo

Frio ou Calor

Postagens mais visitadas deste blog

Quanto Custa Uma Cirurgia?

Compressão do Nervo Ulnar no Cotovelo e Punho

Entorse do Tornozelo

Fratura do Antebraço

Fratura de tíbia - Diafisaria

Consolidação das Fraturas

Minha foto
MARCOS BRITTO DA SILVA
Brazil
- Médico Ortopedista Especialista em Traumatologia e Medicina Esportiva - Chefe do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Pró-Cardíaco, - Professor Convidado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, - Membro Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte | SBMEE, Médico do HUCFF-UFRJ, - International Affiliate Member of the AAOS - American Academy of Orthopaedic Surgeons - Membro da Câmara Técnica de Ortopedia e Traumatologia do CREMERJ, - Especialista em Cirurgia do Membro Superior pela Clinique Juvenet - Paris, - Professor da pós Graduação em Medicina do Instituto Carlos Chagas, - Professor Coordenador da Liga de Ortopedia e Medicina Esportiva dos alunos de Medicina da UFRJ, - Membro Titular da SBOT - ( Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia), - Membro Titular da SBTO - ( Sociedade Brasileira de Trauma Ortopédico), - Mestre em Medicina pela Faculdade de Medicina da UFRJ - Internacional Member AO ALUMNI Association, - Internacional Member: The Fédération Internationale de Médecine du Sport,(FIMS)/International Federation of Sports Medicine (http://www.fims.org),

Arquivo

Mostrar mais