Manguito Rotador: Cirurgia e Recuperação da Força

Porque ocorre perda de força do manguito no pós operatório de cirurgia para manguito rotador?
Após a cirurgia para reparo de uma lesão do manguito rotador, há perda de força, portanto a incapacidade de mobilizar o membro superior é esperada. Não conseguir erguer o braço é normal. Seja realizado pela via tradicional, através de mini-incisão ou por via artroscópica, a cirurgia de reparo da lesão do manguito rotador está associada a impotência funcional temporária.

Porque surge essa incapacidade?
Isso ocorre pois os músculos que foram suturados e colocados no lugar ( amarrados com ancora) ficaram muito tempo sem trabalhar e isso leva a atrofia muscular.

É possível recuperação com fisioterapia?
A reabilitação através de exercícios de alongamento e fortalecimento, sob orientação de fisioterapeuta especializado em tratamento de patologias musculo-esqueléticas do ombro permite a recuperação do movimento e da força, possibilitando o retorno às atividades profissionais ou desportivas habituais.

Como evolui o processo de recuperação de força após a cirurgia?
Este processo de perda de força muscular é variável e depende de vários fatores: 
  • Tempo de lesão -  lesões mais antigas demoram mais para cicatrizar
  • Número de tendões acometidos - 2 tendões demoram mais que um único tendão
  • Grau de degeneração gordurosa - atrofia muscular e preenchimento do espaço por gordura quando essa substituição é muito grande demora mais tempo
  • Associação com distúrbios endócrinos ou metabólicos - doenças sistêmicas atrapalham a cicatrização e recuperação de força
  • Tabagismo 0 cigarro causa vaso-constrição atrapalha a cicatrização e em alguns casos leva a não cicatrização de uma lesão tendinosa ou óssea
A técnica cirúrgica também é importante, a dissecção muscular do músculo deltoide e músculos do manguito, grau distensão capsular, infiltração durante a artroscopia, dentre outros fatores podem influenciar  na recuperação.

A recuperação da força se dá, na maioria das vezes, conforme o gráfico a seguir:

Progressivamente, observamos o retorno gradual da força de elevação. 
  • Em 6 semanas, tempo esperado para o início do processo de cicatrização, observamos uma força próximo a 20% do normal. Nesta fase, normalmente o braço permanece imobilizado na tipóia. 
  • Por volta da 12a semana (3 meses), observamos uma recuperação gradual da força, mas ainda sem a capacidade de sustentação do membro. 
  • Com 18 semanas (4 meses) a força é razoável, atingindo 60% da força normal 
  • 24 semanas por volta do 6o mês após a cirurgia o paciente estará próximo da normalidade Nesta fase é possível retornar às atividades leves.

A fisioterapia adequada é fundamental para a reabilitação pós-operatória, garantindo o retorno ás
atividades e permitindo a recuperação precoce.

Esse artigo foi escrito com a colaboração do Dr Yonder San Jr Médico Ortopedista e Amigo, ex residente de ortopedia da HUCFF.

Dr. Marcos Britto da Silva
Ortopedista, Traumatologia e Medicina do Esporte
Botafogo, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Atualizado em 19/10/2015

Comentários

Mais Lidos

Compressão do Nervo Ulnar no Cotovelo e Punho

Consolidação das Fraturas

Vitamina D Pura DePURA

Lesão Meniscal no Joelho

Cirurgia para tratamento da Fratura de Tornozelo

Frio ou Calor

Postagens mais visitadas deste blog

Quanto Custa Uma Cirurgia?

Compressão do Nervo Ulnar no Cotovelo e Punho

Entorse do Tornozelo

Fratura do Antebraço

Fratura de tíbia - Diafisaria

Consolidação das Fraturas

Minha foto
MARCOS BRITTO DA SILVA
Brazil
- Médico Ortopedista Especialista em Traumatologia e Medicina Esportiva - Chefe do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Pró-Cardíaco, - Professor Convidado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, - Membro Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte | SBMEE, Médico do HUCFF-UFRJ, - International Affiliate Member of the AAOS - American Academy of Orthopaedic Surgeons - Membro da Câmara Técnica de Ortopedia e Traumatologia do CREMERJ, - Especialista em Cirurgia do Membro Superior pela Clinique Juvenet - Paris, - Professor da pós Graduação em Medicina do Instituto Carlos Chagas, - Professor Coordenador da Liga de Ortopedia e Medicina Esportiva dos alunos de Medicina da UFRJ, - Membro Titular da SBOT - ( Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia), - Membro Titular da SBTO - ( Sociedade Brasileira de Trauma Ortopédico), - Mestre em Medicina pela Faculdade de Medicina da UFRJ - Internacional Member AO ALUMNI Association, - Internacional Member: The Fédération Internationale de Médecine du Sport,(FIMS)/International Federation of Sports Medicine (http://www.fims.org),