Dr. Marcos Britto da Silva - Ortopedia, Traumatologia e Medicina Esportiva: Sindrome Compartimental Aguda e Crônica em atletas

Sindrome Compartimental Aguda e Crônica em atletas

O que é a Síndrome Compartimental?
A síndrome compartimental é uma condição dolorosa que ocorre quando a pressão dentro dos músculos se eleva a níveis perigosos. Esta pressão pode diminuir o fluxo sanguíneo, o que impede a nutrição e a oxigênação adequada do nervo e colocando as células musculares em isquemia.
 

Quais os tipos de Síndrome compartimental?
A síndrome do compartimental pode ser aguda ou crônica. 
A Síndrome Compartimental Aguda é uma emergência médica. Ela é geralmente causada por um ferimento grave. Sem tratamento, pode levar a lesões musculares permanentes devido a destruição muscular e neurológica.
Síndrome compartimental Crônica, também conhecida como síndrome do compartimento de esforço, em geral não é uma emergência médica. É mais freqüentemente causadas por esforço repetido em atletas.
 

O que é um compartimento?
Os compartimentos são agrupamentos de músculos, nervos e vasos sanguíneos em seus braços e pernas. Ao redor  desses tecidos há uma membrana resistente chamado fáscia. O papel dessa membrana fáscia é a de manter os tecidos no local, e, portanto, a fáscia não estica ou expande facilmente.A área entre o joelho e o tornozelo tem quatro compartimentos principais: anterior, lateral, posterior superficial, posterior profundo.
 

Como surge a Sindrome Compartimental na perna?
A síndrome do compartimento aguda se desenvolve quando o inchaço ou o sangramento ocorre dentro de um compartimento. A fáscia não estica, isso pode levar a um aumento da pressão sobre os vasos capilares, nervos e músculos no compartimento. O fluxo sanguíneo para as células musculares e nervosas é interrompido. Sem um fornecimento constante de oxigênio e nutrientes, as células nervosas e musculares podem ser danificadas.Na síndrome compartimental aguda, a menos que a pressão seja aliviada rapidamente, invalidez permanente e morte dos tecidos podem ser o resultado.  Isso não costuma acontecer na síndrome compartimental crônica (esforço).
 
Quais os locais onde pode surgir a Sindrome compartimental?
A síndrome do compartimento aguda ocorre mais freqüentemente no compartimento anterior (frontal) da perna (panturrilha). Também pode ocorrer em outros compartimentos da perna, bem como nos braços, mãos, pés e nádegas.
 

Quais as causas da Síndrome Compartimental Aguda?A síndrome compartimental aguda geralmente se desenvolve após um ferimento grave, como um acidente de carro ou uma fratura. Raramente desenvolve-se após um ferimento relativamente menor.
Quais as condições que podem levar a síndrome compartimental aguda?
    
* Uma fratura.
  
* Um músculo ferido gravemente. Este tipo de lesão pode ocorrer quando uma moto cai sobre a perna do ciclista, ou um jogador de futebol é atingido na perna com capacete de outro jogador.
 
* Pós operatório de cirurgia para revascularização. Isto pode ocorrer depois de um reparo de uma artéria danificado que foi bloqueado por várias horas. Um vaso sanguíneo também podem ser ocluido durante o sono. Deixar por muito tempo em uma posição que bloqueia um vaso sanguíneo, em seguida, movendo ou acordando podem causar esta condição. A maioria das pessoas saudáveis, naturalmente se movem quando o fluxo de sangue a uma parte está bloqueada durante o sono. O desenvolvimento da síndrome do compartimento desta forma normalmente ocorre em pessoas que são neurologicamente comprometidos. Isso pode acontecer após a intoxicação grave com álcool ou outras drogas.
  
*  Lesões por esmagamento.
  
* O uso de anabolizantes esteróides. Tomar esteróides é um possível fator na síndrome de compartimento.
 
* Ataduras elasticas de compressão. Gesso e bandagens apertadas podem levar à síndrome de compartimento. Se os sintomas da síndrome do compartimento surgirem após a colocação de um gesso, resse deve ser removido ou afrouxar os curativos compressivos.
 

O que é Síndrome de compartimental Crônica ? ( Sindrome Compartimental do Corredor) 
A dor e o inchaço da síndrome compartimental crônica é causada pelo exercício. Os atletas que participam de atividades com movimentos repetitivos, tais como corrida, ciclismo ou natação, são mais propensos a desenvolver síndrome compartimental crônica. Isso geralmente é aliviada pela interrupção do exercício, e normalmente não é perigosa.
 

Quais os Sintomas da Síndrome do Compartimental Aguda? 
O sinal clássico da síndrome compartimental aguda é a dor, especialmente quando o músculo no compartimento é esticado.    * A dor é mais intensa do que seria esperado a partir da lesão em si. Usando ou esticando os músculos envolvidos provocam aumento a dor.
    
* Também pode haver formigamento ou sensação de ardor (parestesias) na pele.
    
* O músculo pode se sentir apertados ou dolorido.
    
* Torpor ou paralisia são sinais de síndrome compartimental. Eles geralmente indicam lesão tecidual permanente.
 

Quais os Sintomas da Síndrome de Compartimento Crônica?
 A Sindrome compartimento Crônica provoca dor ou cãibras durante o exercício. Esta dor desaparece quando para a atividade. Ela ocorre mais freqüentemente nas pernas. Os sintomas podem incluir:
    
* Dormência
    
* Dificuldade para mover o pé
    
* Músculo com
abaulamento visível (inchaço localizado)
 

Exame Médico na Síndrome do CompartimentoIr para um pronto-socorro imediatamente se houver preocupação com a síndrome compartimental aguda. Esta é uma emergência médica. Seu médico irá medir a pressão do compartimento para determinar se você tem síndrome compartimental aguda. 

Diagnóstico da Síndrome de compartimento Crônica (por exercícios)
Para diagnosticar a síndrome compartimental crônica, o ortopedista /médico do esporte deve excluir outras condições que também podem causar dor na perna. Por exemplo, o médico pode pressionar seus tendões para se certificar de que você não tem tendinite. Ele ou ela pode pedir uma radiografia para se certificar de sua tíbia (tíbia) não tem uma fratura por estresse.Para confirmar a síndrome compartimental crônica, podemos medir as pressões  no compartimento antes e após o exercício. Se as pressões continuarem altas após o exercício fazemos o diagnóstico da síndrome compartimental crônica .

Qual o Tratamento para Síndrome do Compartimento Aguda?
 A síndrome do compartimento aguda é uma emergência cirúrgica. Não há tratamento eficaz não cirúrgico.O seu médico fará uma incisão e abrirá a pele e o fáscia que cobre o compartimento afetado. Este procedimento é chamado fasciotomia.Às vezes, o inchaço pode ser grave o suficiente para que a incisão na pele não possa ser fechado imediatamente. A incisão é reparada cirurgicamente, quando diminui o inchaço. Às vezes, um enxerto de pele é usado. 

Como é tratamento da síndrome de compartimental Crônica? 
Tratamento não cirúrgico. A fisioterapia, palmilhas para calçados, e os medicamentos anti-inflamatórios são muitas vezes sugeridos. Eles tiveram resultados questionáveis ​​para aliviar os sintomas.A maioria dos sintomas podem desaparecer evitando a atividade que causou a doença. Treinamento com atividades de baixo impacto pode ser uma opção. Alguns atletas têm sintomas que são piores em determinadas superfícies (concreto vs pista de atletismo, ou grama artificial vs grama). Os sintomas podem ser aliviados por comutação das superfícies. 
O tratamento cirúrgico. Se as medidas conservadoras falham, a cirurgia pode ser uma opção. Semelhante à cirurgia para a síndrome compartimental aguda, a operação é projetado para abrir a fáscia de modo a permitir mais espaço para os músculos permitindo que eles inchem sem provocar um aumento permanente  da pressão intracompartimental.Geralmente, a incisão na pele para a síndrome compartimental crônica é menor do que a incisão para a síndrome compartimental aguda. Além disso, esta cirurgia é um procedimento eletivo - não uma emergência

Dr Marcos Britto da Silva
Ortopedista, Traumatologia e Medicina do Esporte
Botafogo, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Atualizado em 30/04/2011

10 comentários:

  1. muito esclarecedor doutor, percebi um inchaço na minha perna após começar a correr.. por volta de 20 minuto correndo, ja sinto fortes dores na lateral da canela e inchado (bolinha) localizada.. muito obrigado!

    ResponderExcluir
  2. Doutor, no caso de tratamento cirúrgico para Síndrome Compartimental Crônica localizada na parte anterior da perna (m. tibial anterior), qual seria o tempo médio de recuperação ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você deve seguir o protocolo do médico que irá lhe operar.

      Excluir
  3. Boa noite doutor tive uam fratura na minha perna e tem seis meses que não sinto o pé ele co tinha muito dormente e tenho muita dificuldades de mecher os dedos.queria saber se eu posso ficar com o pé assim ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No momento da fratura pode ter ocorrido um trauma no nervo, procure um ortopedista, o exame clínico e exames de eletro neuro miografia ajudam a determinar a causa da dormência.

      Excluir
  4. Olá Doutor, Boa Tarde! Primeiramente parabéns pelo excelente artigo, é difícil encontrar informações sobre esse tema.

    Há anos sinto dores fortes na perna (região externa da canela) ao praticar exercícios de impacto como corrida, futebol, tenis etc... Nunca consegui praticar corrida por exemplo, apesar de adorar esportes. Ultimamente tenho sentido dores até ao caminhar um pouco mais rápido, quando vou para o trabalho por exemplo.

    No ultimo ano consultei com diversos médicos, fiz fisioterapia e não resolveu o problema... Me consultei com diversos ortopedistas aqui de Brasília, porém sinceramente não gostei de nenhuma consulta, nenhum deles sobre me explicar o problema, teve um que simplesmente falou para eu parar de fazer atividade física de impacto e ir fazer natação, isso pra mim é inconcebível, não da pra eu ficar sem poder ir caminhando para o trabalho ou parar de jogar tênis, que mesmo com dores eu faço, tendo que interromper as vezes o jogo.

    Quem me falou e explicou do possível problema foi um angiologista que consultei, que pelos exames que fiz, radiografia, ressonância e ultrassonografia descartou outra possível causa das dores e disse que poderia ser a Sindrome do Compartimento Cronica e disse para eu procurar um ortopedista, mas eu simplesmente não encontro um bom profissional para tratar desse caso em Brasília, o ultimo disse que eu não tinha a síndrome por conta da ressonância magnética, disse que acusou apenas uma leve inflamação, porém eu fiz o exame 'frio' sem ter feito nenhum exercicio. A minha duvida é, so pela ressonancia é possivel descartar a sindrome cronica?

    Tenho quase certeza que tenho esse problema, e me limita demais.

    A cirurgia para corrigir esse problema é considerada simples? Há muitos riscos?
    Gostaria de marcar uma consulta com o senhor, porém teria que ir ao Rio apenas para me consultar.





    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A CIRURGIA PODE SEU UMA OPÇÃO NOS CASOS CONFIRMADOS, VINDO AO RIO CONVERSAMOS PESSOALMENTE E AVALIAMOS SE HÁ NECESSIDADE DE CIRURGIA.

      Excluir
  5. Olá doutor, lendo seu artigo finalmente consegui entender meu problema crônico. Realizei corrida de rua por 6 meses, até o dia em que do nada minha perna travou, pesou, e mal consegui andar. O tibial inchou, minha perna adormeceu. Imediatamente procurei por ortopedistas, fisioterapeutas, fisiastras. Fiz inúmeras sessões de fisioterapia e nada resolvia a dor, que até hoje, depois de 4 anos é crônica e constante o dia todo, pelos exames da época tive apenas um edema na região. Um paleativo que me alivia é o uso de fisio tape, e o agulhamento seco. Enfim, sofro muito com isso, procurarei a hipótese de cirurgia, é minha única saída.

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde Dr. Marcos. Sou praticante de corridas de rua a mais ou menos 5 anos e lendo seu artigo deparei-me com uma situação idêntica a que estou passando no momento. Ano passado participando de uma Meia Maratona do nada me apareceu uma dor na panturrilha que se estendeu para a coxa direita e uma sensação de dormência vindo a travar a perna, não consegui terminar a prova. De la para ca ja passei por dois ortopedistas, fiz três exames e ultra som venoso e arterial que não deram nada, fiz fisioterapia por dois meses e nada resolve meu problema e essas dores começam depois de mais ou menos 15 minutos de corrida passando rapidamente quando paro de correr. Já se vai mais de um ano sem conseguir correr. Depois de ler seu artigo que me ajudou muito vou procurar novamente um Ortopedista e relatar meu caso ou seria melhor procurar um Clinico Vascular ? Desde já agradeço e fica com Deus Dr. Marcos Britto da Silva.

    ResponderExcluir

ANTES DE POSTAR SEU COMENTÁRIO Leia SOBRE O BLOG

http://www.marcosbritto.com/p/blog-page.html

Somente os seguidores do Blog poderão postar comentários.
Não realizamos consultas pela internet!

Postagens mais lidas na última semana