7 benefícios dos exercícios

Você provavelmente tem uma sensação de que o exercício é bom para você, e você provavelmente já ouviu falar que é "saudável para o seu coração."

Mas se você for como a maioria das pessoas, isso não é motivação suficiente para levá-lo a a realizar exercícios e suar com  regularidade. A revista TIME publicou na capa, 

O exercício cura

"The Exercise Cure", apenas 20% dos norte-americanos praticam 150 minutos de atividade física cardiovascular por semana, mais de metade de todos os baby boomers relatam que não praticam qualquer exercício, 80,2 milhões de americanos com mais de 6 anos de idade são totalmente inativos. Os dados no Brasil são semelhantes

Claude Bouchard, diretor do laboratório de genética humana na Pennington Biomedical Research Center, em Louisiana afirma que "Não existe uma pílula que chegue perto do que o exercício pode fazer de bom para a saúde e se houvesse um, seria extremamente caro."

O exercício é ótimo para o seu cérebro.

Está provado que o exercício melhora a depressão, melhora memória e o aprendizado se torna mais rápido. Estudos também sugerem que o exercício é, a partir de agora, a melhor maneira de prevenir ou retardar o aparecimento da doença de Alzheimer, um grande medo para muitos indivíduos.
Os cientistas não sabem exatamente por que o exercício muda a estrutura e função do cérebro, mas é uma área de pesquisa ativa. Até agora, eles descobriram que o exercício melhora o fluxo sanguíneo para o cérebro, alimentando o crescimento de novos vasos sanguíneos e até mesmo novas células cerebrais, graças à proteína BDNF (fator neurotrófico derivado do cérebro). BDNF desencadeia o crescimento de novos neurônios e ajuda a reparar e proteger as células do cérebro da degeneração. Ele também pode ajudar as pessoas a melhorar a concentração e o raciocínio.

Você será mais feliz.

Inúmeros estudos mostram que muitos tipos de exercício, de andar a pé ou andar de bicicleta, fazem as pessoas se sentirem melhor e podem até aliviar os sintomas da depressão e diminuir as dores crônicas. O exercício provoca a liberação de substâncias químicas no cérebro: serotonina, noradrenalina, endorfina, dopamina diminuem a dor constante, melhoram o humor e aliviam o stress.
"Durante muitos anos, os benefícios físicos do exercício ficaram restritos ao sistema cardiovascular porém os benefícios psicológicos e emocionais são muito grandes"

O exercício regular pode retardar o envelhecimento.

O exercício físico pode prolongar a vida útil em aproximadamente cinco anos, em alguns indivíduos ainda mais. Um pequeno estudo novo sugere que o exercício de intensidade moderada podem retardar o envelhecimento das células. Como seres humanos envelhecem e suas células se dividem uma e outra vez, seus telômeros-as (tampas protetoras na extremidade dos cromossomos) ficam mais curtos. Para ver como o exercício afetavam os telômeros, pesquisadores realizam uma biópsia muscular e amostras de sangue de 10 pessoas saudáveis, ​​antes e depois de um passeio de 45 minutos em uma bicicleta estacionária. Eles descobriram que o exercício aumentam em uma molécula os telômeros, em última análise, diminuindo a rapidez com que encurtam ao longo do tempo. Exercício, então, parece retardar o envelhecimento, ao nível celular.

Ele vai melhorar sua pele.

O exercício aeróbico acelera o fluxo sanguíneo para a pele, fornecendo oxigênio e nutrientes que melhoram a saúde da pele e até mesmo ajudar a curar feridas mais rápido. "É por isso que quando as pessoas têm ferimentos, eles devem se mover tão rapidamente quanto possível, não só para garantir que o músculo não atrofia, mas para se certificar de que há um bom fluxo sanguíneo para a pele", diz Anthony Hackney, um fisiologista do exercício em da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill. Treine e você vai adicionar mais vasos sanguíneos e capilares minúsculos para a pele também.

As coisas surpreendentes podem acontecer em apenas alguns minutos.

Emergente pesquisa sugere que não é preciso muito movimento para obter os benefícios. "Estamos interessados ​​na questão de, qual o mínimo de exercício necessário?", Diz Martin Gibala, um fisiologista do exercício na Universidade McMaster, em Ontário. Ele queria testar a eficácia de um treino de 10 minutos pode ser, em comparação com o treino típico de 50 minutos. O micro-treino que ele desenvolveu consiste em três intervalos de 20 segundos de atividade intensa, seguido por breves recuperações, durante 10 minutos Em um estudo de três meses, ele colocou a curto treino contra o padrão para ver que foi melhor. Para sua surpresa, os exercícios resultaram em melhorias idênticas na função cardíaca e controle de açúcar no sangue, apesar de um treino era de cinco vezes mais do que o outro. "Se você está disposto e capaz de empurrar com força, você pode ir longe com muito pouco exercício", diz Gibala.

Ele pode ajudá-lo a recuperar de uma doença grave.

Mesmo exercício vigoroso de curto intervalo de Gibala pode ser adequado para pessoas com diferentes condições crônicas, de diabetes tipo 2 para insuficiência cardíaca, porém antes de realiza-lo é fundamental consultar o seu médico. Isso é um novo pensamento, porque durante décadas, as pessoas com certas doenças foram aconselhados a não se exercitar. Agora os cientistas sabem que muito mais pessoas podem e devem exercer. Uma análise recente de mais de 300 ensaios clínicos descobriram que para as pessoas se recuperando de um acidente vascular cerebral, o exercício foi ainda mais eficaz em ajudá-los a reabilitar.
Autores californianos prescrevem exercícios para seus pacientes desde o início da década de 1990, na esperança de distribuindo menos medicação. Os estudo demonstram uma melhora surpreendentemente,  particularmente nos pacientes mais sedentários. Quando os pacientes realizam exercícios em base regular, mesmo apenas uma caminhada melhoram as doenças crônicas como depressão, ansiedade , condicionamento físico e o humor, levando a uma melhora inclusive nas patologias cardíacas.

Suas células de gordura irão emagrecer

O corpo usa carboidratos e gorduras como fontes de energia. Mas, depois de treinamento físico aeróbico consistente, o corpo fica melhor na queima de gordura, o que requer uma grande quantidade de oxigênio para convertê-la em energia.
Um dos benefícios do treinamento físico é que o nosso sistema cardiovascular fica mais forte e melhor no fornecimento de oxigênio, de modo que somos capazes de metabolizar mais gordura como fonte de energia.
Como resultado, as células que produzem substâncias responsáveis ​​pela inflamação crônica diminuem e a produção dessas substâncias também diminui.

Dr. Marcos Britto da Silva
Ortopedista, Traumatologista e Médico do Esporte
Botafogo, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Atualizado em 07/06/2019

Comentários

Mais Lidos

Compressão do Nervo Ulnar no Cotovelo e Punho

Consolidação das Fraturas

Vitamina D Pura DePURA

Lesão Meniscal no Joelho

Cirurgia para tratamento da Fratura de Tornozelo

Frio ou Calor

Fratura de tíbia - Diafisaria

Cisto de Baker no Joelho

Entorse do Tornozelo

Bula do Addera D3

Minha foto
MARCOS BRITTO DA SILVA
Brazil
- Médico Ortopedista Especialista em Traumatologia e Medicina Esportiva - Chefe do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Pró-Cardíaco, - Professor Convidado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, - Membro Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte | SBMEE, Médico do HUCFF-UFRJ, - International Affiliate Member of the AAOS - American Academy of Orthopaedic Surgeons - Membro da Câmara Técnica de Ortopedia e Traumatologia do CREMERJ, - Especialista em Cirurgia do Membro Superior pela Clinique Juvenet - Paris, - Professor da pós Graduação em Medicina do Instituto Carlos Chagas, - Professor Coordenador da Liga de Ortopedia e Medicina Esportiva dos alunos de Medicina da UFRJ, - Membro Titular da SBOT - ( Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia), - Membro Titular da SBTO - ( Sociedade Brasileira de Trauma Ortopédico), - Mestre em Medicina pela Faculdade de Medicina da UFRJ - Internacional Member AO ALUMNI Association, - Internacional Member: The Fédération Internationale de Médecine du Sport,(FIMS)/International Federation of Sports Medicine (http://www.fims.org),