Desidratação e Calor Riscos para a Saúde

As primeiras respostas do corpo a desidratação são sede e aumento a ingestão de água, em seguida ocorre uma diminuição da produção de urina para tentar conservar a perda de água. A urina irá tornar-se mais concentrado e de cor amarela mais forte. O sangue ficará com maior osmolaridade.

A medida que aumenta o nível de perda de água, maiores são os sintomas. 
- Boca seca
- Os olhos param de produzir lagrimas e os olhos ficam secos
- Ocorre diminuição da produção de Suor
- Cãibras musculares
- Náuseas e vômitos
- Palpitações cardíacas
- Tontura (especialmente quando está de pé - hipotensão postural )
- Fraqueza
- Diminuição da produção de urina

Qual a resposta do coração a desidratação?
O corpo tenta manter o débito cardíaco (a quantidade de sangue que é bombeado pelo coração para o corpo), aumentando a frequência cardíaca - taquicardia.

Como fica o fluxo sanguíneo durante a desidratação?
Se a quantidade de líquido no espaço intra vascular estiver diminuída, o corpo tenta compensar esta redução aumentando a frequência cardíaca e contraindo os vasos sanguíneos para tentar manter a pressão arterial e o fluxo sanguíneo para os órgãos vitais do corpo. ( diminui a fluxo para a pele e aumenta o fluxo para os órgãos internos) 
Na desidratação o corpo desvia o fluxo de sangue para longe da pele para os órgãos internos: cérebro, coração, pulmões, rins e intestinos, levando a pele a sentir-se fria e úmida. Este mecanismo de defesa começa a falhar quando o nível de desidratação aumenta. O calor produz o efeito inverso ao produzir vasodilatação periférica (para aumentar a quantidade de sangue na pele) ocorre diminuição do fluxo sanguíneo central.  

O que ocorre quando um paciente desidratado fica exposto a calor intenso como numa saúna?
Essa compensação (desvio do sangue da pele para os órgãos internos) pode ser prejudicada quando a desidratação ocorre em ambientes muito quentes onde a temperatura corporal aumenta. Para diminuir a temperatura corporal a sangue deve circular pela pele o que diminui ainda mais a quantidade de sangue para os órgãos internos. 
Com uma desidratação grave a confusão mensal e a fraqueza muscular irão ocorrer quando o cérebro e outros órgãos do corpo receberem menos sangue. 
Finalmente o paciente pode entrar em coma, pode surgir falência de órgãos e eventualmente a morte ocorrerá se a desidratação não for tratada e o corpo resfriado. 

Quais são as complicações de desidratação?
Complicações de desidratação pode ocorrer devido própria  desidratação, e / ou devido à doenças subjacente ou situações que provoquem a perda de fluido.

Insuficiência renal
A insuficiência renal é uma ocorrência comum e é muitas vezes reversível, se a desidratação é tratada precocemente. Com a progressão da desidratação, o volume de líquido no organismo diminui e a pressão arterial pode cair. Isso pode diminuir o fluxo sanguíneo para órgãos vitais como os rins que param de funcionar.

Coma 
A Diminuição do suprimento de sangue para o cérebro pode causar confusão e até mesmo coma e a morte.

Choque 
Quando a perda de líquido destrói a capacidade do corpo para compensar o fluxo de sangue e o transporte de oxigênio para os órgãos vitais do corpo tornam-se inadequadas e as celular e as funções dos órgãos podem começar a falhar. Se os vários órgãos começam a funcionar mal, o próprio corpo pode falhar e a morte pode ocorrer.

Esforço físico, desidratação e calor: efeitos musculares.
A tentativa do corpo para refrescar-se pela transpiração pode provocar a desidratação até o ponto de que os músculos podem entrar em espasmo ( cãibras ). Principalmente em pessoas que trabalham em um ambiente quente, na movimentação de objetos ou equipamentos pesados ​e também em atletas, os músculos da perna podem sofrer cãibras durante a corrida).

Hipertermia
Com o aumento da perda de fluidos, os sintomas de exaustão pelo calor podem ocorrer e incluem fraqueza, tontura, náuseas e vômitos. Se os sintomas não são reconhecidos e o paciente não é retirado do ambiente quente, o paciente vai parar de suar, ter uma mudança no estado mental que inclui confusão e coma, a temperatura corporal pode subir a 41 Centígrados. A hipertermia é uma verdadeira emergência médica e o paciente deve receber cuidados médicos imediatos

Distúrbios eletrolíticos 
Na desidratação pode alterar a concentração do sódio, potássio e cloreto. Esses eletrólitos são perdidos  através do suor. Por exemplo, os pacientes com diarreia profusa ou vômitos podem perder quantidades significativas de potássio, causando a fraqueza muscular e distúrbios do ritmo cardíaco. 
Exemplos de sintomas causados ​​por níveis anormais de eletrólitos incluem:
- fraqueza muscular, devido à baixa de potássio, 
- distúrbios do ritmo cardíaco, devido à baixa ou alta de potássio
- convulsões , devido à baixa (hiponatremia) ou aumento do sódio (hipernatremia). 

A velocidade da reidratação
A velocidade da reidratação é importante se a reidratação é feito muito lentamente, o paciente pode permanecer hipotenso e em estado de choque por muito tempo. 
Se isso for feito muito rapidamente, as concentrações de água e eletrólitos no interior das células dos órgãos pode ser afetado negativamente, fazendo com que as células inchem e acabem por morrer.

Dr. Marcos Britto da Silva
Ortopedista, Traumatologista e Médico do Esporte
Botafogo, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Atualizado em 28/06/2019

Comentários

Mais Lidos

Compressão do Nervo Ulnar no Cotovelo e Punho

Consolidação das Fraturas

Vitamina D Pura DePURA

Lesão Meniscal no Joelho

Cirurgia para tratamento da Fratura de Tornozelo

Frio ou Calor

Postagens mais visitadas deste blog

Quanto Custa Uma Cirurgia?

Compressão do Nervo Ulnar no Cotovelo e Punho

Entorse do Tornozelo

Fratura do Antebraço

Fratura de tíbia - Diafisaria

Consolidação das Fraturas

Minha foto
MARCOS BRITTO DA SILVA
Brazil
- Médico Ortopedista Especialista em Traumatologia e Medicina Esportiva - Chefe do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Pró-Cardíaco, - Professor Convidado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, - Membro Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte | SBMEE, Médico do HUCFF-UFRJ, - International Affiliate Member of the AAOS - American Academy of Orthopaedic Surgeons - Membro da Câmara Técnica de Ortopedia e Traumatologia do CREMERJ, - Especialista em Cirurgia do Membro Superior pela Clinique Juvenet - Paris, - Professor da pós Graduação em Medicina do Instituto Carlos Chagas, - Professor Coordenador da Liga de Ortopedia e Medicina Esportiva dos alunos de Medicina da UFRJ, - Membro Titular da SBOT - ( Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia), - Membro Titular da SBTO - ( Sociedade Brasileira de Trauma Ortopédico), - Mestre em Medicina pela Faculdade de Medicina da UFRJ - Internacional Member AO ALUMNI Association, - Internacional Member: The Fédération Internationale de Médecine du Sport,(FIMS)/International Federation of Sports Medicine (http://www.fims.org),

Arquivo

Mostrar mais