Fatores de Risco de queda em idosos

Naqvi e cols. estratificaram o risco de queda em duas categorias principais: intrínseca e extrínseca. Fatores de risco intrínsecos são endógenos ao paciente (por exemplo, comorbidades, estado funcional). Estes incluem idade, sexo, histórico de queda, comprometimento cognitivo, status socioeconômico, condição psicológica, medo de cair e atividades restritas da vida diária. Muitos fatores intrínsecos não são modificáveis ​​(por exemplo, idade). Os homens têm maior probabilidade de sofrer uma queda fatal, enquanto as mulheres são mais propensas a sofrer uma fratura. 

Quais as comorbidades que estão ligas as quedas no pacientes idosos ?

As comorbidades incluem diabetes, doença de Parkinson, osteoporose, história de acidente vascular cerebral, artrite, défice sensorial periférico, desnutrição, arritmia e hipotensão ortostática. As deficiências funcionais incluem imobilidade ou redução da força muscular, tontura e vertigem, deficiência visual, calçados inadequados, incontinência, uso de medicamentos de alto risco (por exemplo, psicotrópicos, benzodiazepínicos, sedativos, anti-hipertensivos, analgésicos / opiáceos, anticoagulantes  ) e uso de dispositivos auxiliares. Os medicamentos podem ser modificados para reduzir o risco de uma queda.

Quais os fatores de risco extrínsecos de quedas em idosos?

Fatores de risco extrínsecos são aqueles encontrados no ambiente hospitalar. Eles incluem hospitalização em si, condição do chão ( piso liso, escorregadio, molhado), ambiente desordenado (por exemplo, mesas, cadeiras no caminnho), tapetes, barras de apoio ou a falta dela, iluminação fraca, trilhos de cama não colapsantes, haste e tubulação intravenosa (IV), restrições e cateter foley ou tubo no torácico. Uma equipe multidisciplinar pode abordar esses fatores no hospital. 

Em um período de 12 meses, > 65% dos pacientes geriátricos estudados sofreram uma queda quando três ou mais fatores de risco foram identificados. Iinattiniemi e cols. analisou prospectivamente 512 quedas em 273 participantes para identificar fatores de risco de queda e calculou índices de taxa de incidência (TIRs) univariados e multivariados para cada fator. 

Quais os principais preditores de quedas em pacientes idosos?

As variáveis ​​preditivas mais fortes para uma queda foram a história de quedas no passado (média da TIR, 1,91); visão deficiente (média da TIR, 1,46); ansiedade, nervosismo ou medo de cair (média de IRR, 1,56); e uso de um medicamento antipsicótico (TIR média de 1,66).

Referencias:
  1. Naqvi F, Lee S, Campos SD: Avaliando uma diretriz para a prevenção de quedas em cuidados intensivos. Geriatrics 2009; 64 (3): 10-13, 26.
  2. Conselho Nacional do Envelhecimento: Livre de Quedas: Promovendo um Plano Nacional de Prevenção de Quedas. Plano de Ação Nacional . Disponível em: http://www.healthyagingprograms.org/content.asp?sectionid=69&ElementID=220 
  3. Iinattiniemi S, Jokelainen J, Luukinen H: Queda de risco entre uma população muito antiga de habitação. Scand J Prim Health Care 2009; 27 (1): 25-30.

Dr. Marcos Britto da Silva

Ortopedista, Traumatologista e Médico do Esporte

Botafogo, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Atualizado em 27/07/2019




Comentários

Mais Lidos

Compressão do Nervo Ulnar no Cotovelo e Punho

Consolidação das Fraturas

Vitamina D Pura DePURA

Lesão Meniscal no Joelho

Cirurgia para tratamento da Fratura de Tornozelo

Frio ou Calor

Fratura de tíbia - Diafisaria

Cisto de Baker no Joelho

Entorse do Tornozelo

Bula do Addera D3

Minha foto
MARCOS BRITTO DA SILVA
Brazil
- Médico Ortopedista Especialista em Traumatologia e Medicina Esportiva - Chefe do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Pró-Cardíaco, - Professor Convidado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, - Membro Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte | SBMEE, Médico do HUCFF-UFRJ, - International Affiliate Member of the AAOS - American Academy of Orthopaedic Surgeons - Membro da Câmara Técnica de Ortopedia e Traumatologia do CREMERJ, - Especialista em Cirurgia do Membro Superior pela Clinique Juvenet - Paris, - Professor da pós Graduação em Medicina do Instituto Carlos Chagas, - Professor Coordenador da Liga de Ortopedia e Medicina Esportiva dos alunos de Medicina da UFRJ, - Membro Titular da SBOT - ( Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia), - Membro Titular da SBTO - ( Sociedade Brasileira de Trauma Ortopédico), - Mestre em Medicina pela Faculdade de Medicina da UFRJ - Internacional Member AO ALUMNI Association, - Internacional Member: The Fédération Internationale de Médecine du Sport,(FIMS)/International Federation of Sports Medicine (http://www.fims.org),